Aleteia

Como você reage diante do pecado do outro?

Shutterstock
Compartilhar
Comentar

Será que a luta que travo para não errar não é a mesma luta do outro?

O Senhor disse a Caim: “Onde está seu irmão Abel?”. Caim respondeu: “Não sei! Sou porventura eu o guarda do meu irmão?” (Gn 4,9). Esse diálogo de Deus com Caim marca uma das narrações mais dramáticas da Bíblia. Em poucos versículos, em que é narrado o primeiro homicídio da história humana, podemos conhecer o triste fim de Abel e a indiferença de seu irmão Caim.

Talvez, fiquemos chocados diante de tal crueldade, mas pode ser que estejamos seguindo fielmente os passos de Caim nos dias atuais. Se Deus lhe perguntar, agora, onde está seu irmão, você saberia Lhe dizer? Como você reage diante dos pecados dos outros? Provavelmente, veio à sua mente algumas pessoas bem próximas, mas e o seu vizinho? E aquela pessoa que não gosta de você? Também o que participava do grupo de oração e não voltou mais, onde ele está? E a prostituta que fica na esquina da avenida, como ela está?

Os pecados dos outros são maiores que o meu?

Diante de várias pessoas que deixaram a Igreja ou que nunca entraram em uma, nós podemos declarar: “O que posso fazer? Não sou responsável por essa pessoa”. Respondemos igual a Caim: “Acaso sou eu seu guarda?”.

E quando olhamos um drogado na rua, louvamos a Deus: “Obrigado, Senhor, por me livrar de estar ali”, “Senhor, eu Lhe agradeço por eu não estar perdido nas baladas e nas perversões do mundo”. Vejamos uma parábola de Jesus: “O fariseu, em pé, orava no seu interior desta forma: ‘Graças te dou, ó Deus, que não sou como os demais homens: ladrões, injustos e adúlteros; nem como o publicano que está ali. Jejuo duas vezes na semana e pago o dízimo de todos os meus lucros’. O publicano, porém, mantendo-se à distância, não ousava sequer levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: ‘Ó Deus, tem piedade de mim, que sou pecador!’. Digo-vos: este voltou para casa justificado, e não o outro” (Lc 18,11-14).

Muitas vezes, diante do pecado do nosso próximo, nossa postura é condenar, querendo assumir o papel de Deus. Nessa reflexão, quero questionar: os pecados dos outros são maiores que o meu? Será que a luta que travo para não errar não é a mesma luta do outro?

Fazemos do defeito das pessoas assunto de nossas conversas, comentamos e queremos encontrar soluções para a vida alheia, mas não procuramos a pessoa para lhe dizer onde está errando. Desculpamo-nos de boas intenções para fomentar julgamentos e difamar, mas nos esquecemos de que Deus nos constitui guarda do outro.

A missão de ser guarda do nosso irmão

O que é ser guarda? “Pessoa incumbida de vigiar ou guardar alguma coisa ou alguém.” Vigiar é também proteger, é zelar por ele, manter o olhar sobre a pessoa, defendê-la e ajudá-la. Mas como temos realizado a missão de ser guarda do nosso próximo? Onde e como está nosso irmão?

Quantas vezes nós mesmos vivemos a experiência de saber que falaram algo sobre nós e ficamos chateados, pois não é nada agradável saber que as pessoas comentam sem nem mesmo saber a nossa realidade! Mas não temos a mesma postura quando é para falar dos outros. Jesus também nos ensina: “Tudo o que quereis que os homens vos façam, fazei-o vós a eles” (Mt 7,12).

A ação do nosso irmão não é o bastante para constatar a intenção dele. Só existe uma maneira de ter certeza sobre o que o outro quis realmente: perguntando a ele. Em vez de sair por aí espalhando como tal pessoa agiu, Deus nos pede que a procuremos e, como um irmão que quer guardar, falemos para ele de sua atitude com caridade e desejo de levá-lo ao céu.

Peçamos a Deus a graça de um coração caridoso, pois, muitas vezes, as pessoas só precisam de alguém que cuide para que possam melhorar suas ações. Matemos em nós toda fofoca, murmuração e condenação, e procuremos amar o outro concretamente.

Por Paulo Pereira, via Canção Nova

Boletim
Receba Aleteia todo dia