Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 27 Outubro |
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

Se a África é rica, por que metade da sua população é pobre?

Aleteia Espanha - publicado em 19/09/17 - atualizado em 30/09/17

Organizações católicas denunciam a grave situação

Diversas organizações católicas alertam sobre o cenário de fome, guerras e catástrofes no continente africano, mostrando sua destacada presença em cada um dos países em conflito.

A Cáritas tem um vínculo especial com este continente, repleto de esperança, e aposta em “continuar avançando no trabalho de cooperação fraterna com sua Igreja e suas Cáritas nacionais”.

Representantes desta ONG explicam que o continente africano, no qual se encontram alguns dos países mais pobres do mundo, é atualmente cenário recorrente de fomes, guerras e catástrofes; e dão o exemplo das realidades problemáticas do Magreb (Mauritânia, Marrocos e Tunísia), a fome no Sahel (Senegal, Mali, Burkina Faso, Níger e Chade) e no Chifre da África (Etiópia, Sudão, Sudão do Sul, Eritreia, Somália, Quênia e Djibouti), as guerras do centro do continente (Congo-Brazzaville, República Democrática do Congo, República Centro-Africana, Uganda, Ruanda e Burundi) e África Austral (Moçambique e Angola).

A Cáritas centra seu trabalho tanto na atenção de urgência aos atingidos como no apoio a processos de reabilitação e prevenção de novos desastres; explica também que, neste momento de crise, é necessário colocar as pessoas no centro de todas as ações de cooperação fraterna com a Igreja e as Cáritas do continente.

O crescimento econômico se reflete nas pessoas

Manos Unidas investiu mais de 12,5 milhões de euros no último ano e denuncia, no Dia da África, as necessidades das pessoas que vivem neste continente.

“Ainda que as análises macroeconômicas garantam que, no último ano, a África cresceu 5,1%, isso não se reflete na sociedade”, afirma a ONG católica.

Entre os dados mostrados, explica-se que 50% dos africanos vive abaixo da linha da pobreza e mais de 200 milhões de africanos (um terço da população) sofre de insegurança alimentar.

Segundo Manos Unidas, os progressos e disparidades se complementam; na educação, aumenta a escolarização, mas não se garante a qualidade; o acesso à água continua sendo impossível para muitos e as desigualdades de gênero continuam sendo enormes, porque o fato de ser mulher, nascer em uma família pobre, rural e em uma área de conflito supõe viver uma vida indigna para a mulher africana.

Com relação à situação política, Manos Unidas mostra que os governos democráticos “ainda estão longe de serem alcançados e, nos 14 votações importantes feitas no último ano, houve denúncias de corrupção e vários conflitos violentos ligados a processos eleitorais (Costa do Marfim), ruptura de acordos (Sudão e Sudão do Sul) ou violência sectária e étnica (Nigéria e Somália)”.

Outros dos conflitos que preocupam Manos Unidas são os vinculados ao controle dos recursos naturais (República Democrática do Congo, Etiópia, Nigéria, Guiné), o crime organizado e o fundamentalismo religioso (Argélia, Somália, Quênia, Mali, Mauritânia, Níger, Nigéria).

Vítimas da guerra

Na organização Misiones Salesianas, trabalha-se pela reconciliação e pela paz por meio da educação. Seus organizadores destacam, para o Dia da África, que este “é um continente vítima das guerras, dos enfrentamentos e da fome”.

Pablo Souto, responsável pela área de comunicação de Misiones Salesianas, explica como os missionários trabalham em situações de insegurança: “Muitos foram embora, mas nós ficamos ao lado da população, acompanhando-a e ajudando no que for possível, apesar das dificuldades”.

O trabalho realizado neste momento está centrado na reconciliação dos povos por meio da educação, e no trabalho com crianças e jovens, vítimas mais vulneráveis da violência e da pobreza. Souto destaca: “Devemos nos afastar dos interesses nacionais e econômicos, para que os povos da África possam progredir”.

“A África é um continente com grandes riquezas naturais, mas a população não se beneficia delas. Isso é que o devemos mudar”, conclui Souto.

(Alvaro Real)

Tags:
ÁfricafomeIgreja CatólicaPobreza
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
SANDRA SABATTINI
Francisco Vêneto
Primeira noiva em processo de canonização na história foi beatifi...
2
EUCHARIST
Reportagem local
O que fazer se a hóstia cair no chão durante a Missa?
3
Transplante de rins
Francisco Vêneto
Transplante de rim de porco em humanos: a Igreja tem alguma objeç...
4
Pe. Jonas Magno de Oliveira e sua mãe
Francisco Vêneto
Mãe de padre brasileiro se torna freira na mesma família religios...
5
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco: “Tenho medo dos diabos educados”
6
As irmãs biológicas que se tornaram freiras no instituto Iesu Communio
Francisco Vêneto
As cinco irmãs biológicas que se tornaram freiras em apenas 2 ano...
7
Don José María Aicua Marín
Dolors Massot
Padre morre de ataque cardíaco enquanto celebrava funeral
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia