Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 31 Julho |
Santo Inácio de Loyola
home iconAtualidade
line break icon

Alzheimer: o diagnóstico melhorou, mas ainda não há cura

Shutterstock

Agências de Notícias - publicado em 20/09/17 - atualizado em 20/09/17

Trinta milhões de pessoas no mundo sofrem de Alzheimer, uma doença cujo diagnóstico melhorou mas que continua sem um tratamento para curá-la, afirmam os especialistas por ocasião do Dia Mundial do Alzheimer.

– O que é o Alzheimer? –

Descrita pela primeira vez em 1906 pelo médico alemão Alois Alzheimer, esta doença neurodegenerativa causa uma deterioração progressiva das capacidades cognitivas do paciente, até chegar à perda total da autonomia.

Os principais sintomas são esquecimentos recorrentes, problemas de orientação e alterações das funções executivas, por exemplo não se lembrar de como utilizar o telefone.

Após o aparecimento desses sintomas, deve-se consultar um médico ou um centro especializado, onde vários exames neuropsicológicos permitirão diagnosticar ou descartar a doença.

– Quantos doentes há? –

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), há cerca de 47 milhões de pessoas que sofrem de demência no mundo, dos quais 60% a 70% têm Alzheimer, o que representa de 28 milhões a 33 milhões de pessoas.

A cada ano, são registrados 9,9 milhões de novos casos de demências.

– Qual é a causa? –

Na maioria dos casos, a causa principal é desconhecida, segundo Stéphane Epelbaum, neurologista do hospital parisiense Pitié-Salpêtrière.

“Não sabemos porque em algumas pessoas os neurônios começam a se degenerar e em outras, não”. Mas “se conhece cada vez melhor a sequência de acontecimentos que leva a esta degeneração”, afirma.

– Quais são os fatores de risco? –

A idade “é o maior fator de risco conhecido”, segundo a OMS. Estima-se que a partir dos 85 anos, uma em cada quatro mulheres e um em cada cinco homens terão Alzheimer. A partir dos 65 anos, o risco de desenvolver a doença dobra a cada cinco anos.

Esta doença não deve, no entanto, ser considerada uma consequência inevitável da velhice.

Só em 1% dos casos existe um fator hereditário, com um aparecimento precoce, por volta dos 60 anos ou inclusive antes.

Para o resto dos casos, alguns estudos apontam como fatores de risco o sedentarismo, obesidade, diabetes, hipertensão arterial, tabaco, álcool e alimentação desequilibrada.

Depressão, nível baixo de escolaridade, isolamento social e ausência de atividade intelectual também são citadas pela OMS como condições favoráveis ao desenvolvimento da doença.

– Como é feito o diagnóstico? –

Durante muitos anos, diagnosticar o mal de Alzheimer era uma tarefa difícil, e com frequência a doença só era confirmada após a morte do paciente.

Mas hoje existem métodos eficazes de diagnóstico.

Primeiramente, o paciente é submetido a um exame clínico, com testes com perguntas para detectar transtornos cognitivos, explica Epelbaum.

Para confirmar a doença, os médicos podem recorrer à Imagem por Ressonância Magnética ou à Tomografia por Emissão de Pósitrons, a fim de visualizar as modificações no cérebro.

Também há a possibilidade de realizar punções lombares para detectar alguns marcadores da doença.

– Qual é o tratamento? –

Não há nenhum tratamento para curar o Alzheimer. “Muitas estratégias terapêuticas estão atualmente em fase de pesquisa”, segundo a Fundação para a Pesquisa Médica da França.

Há medicamentos para eliminar as lesões cerebrais características do Alzheimer – as placas amiloides -, mas estes são ineficazes para deter o avanço da doença.

“No futuro, os tratamentos provavelmente consistirão (…) na associação de vários medicamentos para agir contra as diferentes disfunções que a doença provoca”, segundo Epelbaum.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
2
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
3
Ítalo Ferreira
Reportagem local
Ouro no surfe em Tóquio, Ítalo Ferreira rezou todos os dias às 3h...
4
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
5
David Arias
Reportagem local
Ex-satanista mexicano retorna à Igreja e testemunha: “O ter...
6
Claudio de Castro
Como salvar nossas almas nos últimos minutos antes da morte
7
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia