Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 21 Abril |
Santo Apolônio
home iconEstilo de vida
line break icon

A inteligência moral

MORAL

Andres Garcia Martin - Shutterstock

Alfa y Omega - publicado em 26/09/17

A emoção é um autêntico motor moral, mas deve ser passada pelo filtro da razão e do discernimento

A inteligência é uma das potencialidades humanas mais estudadas, devido à sua complexidade, amplitude e profundidade. Não é de se estranhar que, ao longo do tempo, tenham surgido diversas teorias para explicá-la. Um grupo de cientistas reconhecidos (Mainstream Science on Intelligence, 1994) chegou a um consenso sobre a definição de inteligência: a capacidade mental que consiste na habilidade de raciocinar, planejar, resolver problemas, pensar de maneira abstrata, compreender ideias complexas, aprender rapidamente e com a experiência.

Mas, antes e depois disso, apareceram outras teorias sobre a inteligência. O modelo das inteligências múltiplas, de H. Gardner, afirma que os seres humanos possuem até oito inteligências diferentes, mas relacionadas entre si. Todos nós temos essas inteligências em graus distintos e todas podem ser desenvolvidas. Gardner chegou a essas conclusões depois de inúmeras pesquisas, cruzando dados de diversas disciplinas, como a Psicologia, Neurologia, Medicina e outras. Sua teoria se popularizou e foi aplicada em muitas áreas, principalmente na educação, onde tem dado excelentes frutos.

Outra teoria, cujos conceitos podem ser aplicados a vários campos da atividade humana, como empresas, trabalho, terapia, autoajuda, coaching, esportes e relações interpessoais, entre outros, é a inteligência emocional, cujo autor mais representativo é o psicólogo Goleman, que também fala sobre inteligência social.

A inteligência de sempre

Além de proporcionar aplicações em vários campos, essas teorias também contribuem para que os pesquisadores continuem investigando a existência de outras possíveis inteligências. Mas com uma advertência: não se trata de chamar de inteligência qualquer habilidade humana; é preciso ter consenso e embasamento científicos. A esse respeito, pense no abuso que, sob a luz dessas teorias, se fez do adjetivo “inteligente”, tão repetido em infinitos anúncios publicitários.

Porém, é possível falar de uma velha-nova inteligência, que alguns psicólogos e filósofos se atreveram a denominar e a explicar sua natureza: a inteligência moral. Em alguma de suas publicações, Gardner refere-se a ela, embora sem se alongar muito para explicá-la.

No ser humano, existe a inteligência moral, a velha inteligência de sempre, no sentido de que nunca ela nunca faltou aos homens e mulheres de todos os tempos, embora nem sempre tenha tido esse nome. A inteligência moral também é nova, pois os dados científicos provenientes de várias disciplinas, principalmente os da neurociência, estão abrindo nossos olhos e oferecendo bases para que ela seja identificada e explicada, sem que os pesquisadores fujam dos conceitos que os autores citados já apresentaram.

A inteligência moral, portanto, é uma das inteligências de que o ser humano está dotado. Mas ela deve ser desenvolvida, como as demais, para que seja visível através dos nossos atos. É a capacidade de raciocinar em termos de bondade e justiça, em termos do que nos torna pessoas melhores, mais humanas. É a capacidade para deliberar acerca do que se deve fazer, raciocinando e argumentando. É uma habilidade mental, que, juntamente com a habilidade emocional e social, nos motiva a fazer o bem. É a competência para resolver dilemas morais e fazer juízos morais corretos.

Pergunte-se, leitor, sobre os motivos que o levam a consultar uma determinada pessoa – e não outras – sobre uma decisão importante que você tem que tomar e que coloque à prova toda a sua essência como sujeito humano. Não é errado dizer que você buscará alguém com notável inteligência moral, o que, com outras palavras, é o mesmo que dizer “autoridade moral”. Todos nós conhecemos pessoas dotadas de inteligência moral. Por isso, recorremos a elas diante de uma decisão importante que temos que tomar.

A inteligência moral engloba diversos componentes. Em primeiro lugar, estão a sua ligação com a inteligência lógica (que pode ser entendida como a capacidade de discernimento), a inteligência emocional (capacidade de entender-se a sim mesmo, entender os outros e gerenciar sentimentos) e a inteligência social (desenho neurológico e psicológico, segundo o qual estamos construídos para nos relacionarmos com os outros).Esses ancoradouros são o substrato em que se situa a inteligência moral. Essa busca, desde a sua vertente lógica (para encontrar soluções equilibradas para os conflitos éticos em que se envolvem os indivíduos), passando pela vertente emocional e social (onde se faz presente a dimensão da empatia), deve ser submetida ao filtro da razão, do discernimento.

Em segundo lugar, a inteligência moral inclui outros componentes, como a ponderação, a moderação, o equilíbrio, a temperança, a sanidade, o saber ouvir, um certo distanciamento para ganhar objetividade e a harmonia (no sentido platônico deste conceito).

Nosso mudo tem inúmeras ausências morais. Há pessoas que desconectam suas vidas da dimensão moral, como nos lembra A. Bandura. Inclusive, assistimos – às vezes atônitos – uma desconexão moral sistêmica, como a corrupção, a violência, a xenofobia, a discriminação ou a indiferença diante das injustiças. Viver com inteligência moral é estar atento diante dessas situações e cultivar, em contrapartida, uma série de valores. Há profissões que exigem mais da inteligência moral, como os juízes, professores e médicos. Mas todos deveríamos cultivar essa qualidade, que habita no mais profundo de nós. É questão de acordá-la e educá-la.

Artigo de Luis Fernando Vílchez, autor de Inteligencia moral. Perspectivas (PPC), publicado originalmente em Alfa y Omega, traduzido e adaptado ao português.

Tags:
CorrupçãomoralRelacionamentoVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
Ordenação sacerdotal
Francisco Vêneto
Ex-testemunha de Jeová será ordenado padre católico aos 25 anos
3
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
4
BENEDICT XVI
Francisco Vêneto
Em nova e extensa biografia, Bento XVI desmascara o atual “...
5
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
6
Papa Bento XVI
Francisco Vêneto
Bento XVI faz 94 anos e é o primeiro Papa a atingir essa idade na...
7
ALTAR BOY,
Un cammino chiamato famiglia
Coroinha desmaia durante Via Sacra, mas a cru...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia