Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 15 Janeiro |
Santo Arnoldo Janssen
home iconAtualidade
line break icon

Las Vegas reacende debate sobre armas de fogo nos EUA

Samuel Corum / ANADOLU AGENCY

Agências de Notícias - publicado em 02/10/17

O autor dos disparos, que se suicidou, dispunha de mais de dez fuzis no quarto de hotel de onde abriu fogo

Em função do tiroteio mais violento ocorrido na história recente dos Estados Unidos, quando um aposentado atacou o público de um show country em Las Vegas, Donald Trump deverá enfrentar novos questionamentos sobre a venda de armas de fogo no país.

As autoridades não vinculam, por enquanto, a matança – que deixou ao menos 59 mortos e 515 feridos – ao terrorismo internacional, apesar do ataque ter sido reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (EI).

O autor dos disparos, que se suicidou, dispunha de mais de dez fuzis no quarto de hotel de onde abriu fogo.

Em um breve pronunciamento na Casa Branca, o presidente afirmou que o ato representa “o mal absoluto” e pediu que o país permaneça unido e reze. Mas não disse nenhuma palavra sobre a legislação referente às armas de fogo.

Apesar da investigação ter apenas começado, os rivais democratas de Trump já exigem, independentemente de quais tenham sido as motivações do assassino, uma modificação na legislação sobre armas, tema que suscita debates acalorados nos Estados Unidos.

Apoiado na campanha eleitoral pela maior organização americana defensora do direito de possuir armas de fogo, a Associação Nacional do Rifle (NRA), Donald Trump sempre foi um defensor feroz da Segunda Emenda da Constituição, cuja interpretação é objeto de ásperas discussões, que estipula que não se pode atentar contra “o direito do povo de ter e portar armas”.

Algumas horas depois da tragédia, a ex-candidata democrata à presidência Hillary Clinton pediu um debate aprofundado sobre as armas. “Nossa pena não é suficiente. Podemos e devemos deixar a política de lado, enfrentar a NRA e trabalhar juntos para tentar fazer com que isso não volte a ocorrer”, escreveu no Twitter.

“Sempre há (pessoas que matam) com histórias e motivações diferentes, seu trágico elemento em comum é ter armas poderosas”, destacou Ben Rhodes, ex-assessor de Barack Obama, que tentou em vão fazer com que os Congresso legislasse sobre o assunto.

Massacre após massacre, os democratas não deixaram de tentar tornar a legislação sobre a venda de armas mais estrita, mas os republicanos conseguiram, até agora, agir em bloco e se opor a qualquer limitação.

As pesquisas de opinião indicam que a maioria dos americanos é a favor de um endurecimento da legislação.

– “Um amigo na Casa Branca” –

Donald Trump não deu até agora nenhum sinal de que fosse mudar sua postura, que entusiasma a sua base eleitoral mais fiel.

“Vocês têm um autêntico amigo na Casa Branca (…). Vocês me apoiaram, eu os apoiarei”, declarou Trump 100 dias depois de sua chegada ao poder, em um insólito comparecimento de um presidente em exercício à NRA.

Durante a campanha, já tinha ido longe em sua argumentação, quando usou o exemplo do regime francês, muito restritivo, afirmando que os atentados de 13 de novembro em Paris não teriam sido tão letais se a lei fosse diferente.

Para ganhar a simpatia de milhares de membros da NRA, Trump lembra regularmente que dois de seus filhos são sócios dessa entidade há anos. “Eles têm tantos fuzis e armas que às vezes até eu fico um pouco preocupado”, brincou certa vez.

Nesta segunda-feira de manhã, o senador democrata Chris Murphy, de Connecticut, onde em dezembro de 2012 aconteceu o massacre da escola de Sandy Hook, em Newtown, manifestou sua irritação.

“É simplesmente exasperante que meus colegas no Congresso tenham tanto medo da indústria das armas que fingem que não há nenhuma solução política para esta epidemia”. “É hora de que o Congresso se mova e faça algo”, acrescentou.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia