Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 17 Outubro |
Santo Inácio de Antioquia
Aleteia logo
home iconEstilo de vida
line break icon

Sofrendo por causa de um rompimento amoroso? Conheça um jeito de aliviar a dor

nd3000 - Shutterstock

Chloe Langr - publicado em 04/10/17

Compreender o padrão que seguimos pode nos dizer onde somos fortes e onde somos vulneráveis ​​em relacionamentos românticos

Cada um lida com o rompimento amoroso de forma diferente. Alguns se isolam por um tempo para trabalhar suas emoções. Outros se aproximam dos amigos em busca de ajuda e consolo. Outros ainda podem aliviar o sofrimento praticando esportes ou indo à academia. Mas, independentemente de como lidar com um rompimento, conhecer nosso estilo de conexão amorosa pode nos ajudar a entender melhor como escolhemos um(a) parceiro(a) e o que acontece à medida que o relacionamento progride.

Os padrões de conexão desenvolvem-se no início do nosso desenvolvimento infantil. Compreender o padrão de conexão que seguimos pode ser uma grande ajuda para entender onde somos fortes e onde somos vulneráveis ​​quando se trata de relacionamentos românticos.

A Dra. Lisa Firestone,psicóloga clínica e Diretora de Pesquisa e Educação da Associação Glendon, descreve quatro tipos diferentes de estilos de conexão e diz que nosso ambiente familiar de infância afeta nosso desenvolvimento emocional. Se você já passou ou está passando por um rompimento, tire um tempo para examinar qual estilo de conexão descreve sua família de origem e suas emoções:

  1. O tipo seguro

Adultos firmemente conectados tendem a estar mais satisfeitos em seus relacionamentos. Crianças com uma conexão segura veem seus pais como uma base segura a partir da qual elas podem se aventurar e explorar de forma independente o mundo. Um adulto seguro tem um relacionamento semelhante com seu parceiro(a), sentindo-se seguro e conectado, enquanto permite a si próprio e ao parceiro(a) se moverem livremente.

  1. O tipo que foge da intimidade

Uma conexão que evita a intimidade pode ser estabelecida quando o pai, a mãe ou os pais estão emocionalmente indisponíveis. Crianças em um ambiente desse tipo aprendem frequentemente que a melhor maneira de obter suas necessidades básicas é agir como se não tivessem nenhuma necessidade. Quando adultas, elas podem estabelecer muros que supostamente as protegeriam da intimidade, e assim tendem a agir de forma distante ou resistente à proximidade.

  1. O tipo ansioso

Uma criança que viveu um estilo de conexão ambivalente ou de muita ansiedade geralmente tem pais que às vezes estão disponíveis e cuidando, mas outras vezes são insensíveis ou invasivos. Essas crianças aprendem que se elas se apegam ou permanecem focadas nos pais, elas eventualmente conseguem atender às suas necessidades. Quando adultas, as pessoas com esse padrão podem desenvolver um apego ansioso e preocupado, no qual se sentem carentes ou até desesperadas em relação ao parceiro(a) romântico.

  1. O tipo desorganizado

Uma conexão desorganizada se forma quando as crianças estão aterrorizadas ou traumatizadas pela própria pessoa a quem elas se voltam para a segurança, geralmente o pai ou a mãe. Este tipo de apego é comum entre as crianças que têm um pai ou mãe que tem um trauma não resolvido de sua própria infância, fazendo com que ele ou ela atue desorientada e de forma alarmante com a criança em momentos de estresse.

As crianças criadas em ambientes assim têm dificuldades em desenvolver uma maneira organizada de satisfazer suas necessidades básicas, porque seus pais são imprevisíveis. Quando adultas, elas podem ter uma terrível conexão do tipo que evita a intimidade mas, ao mesmo tempo, teme a perda: quando o(a) parceiro(a) se afasta, ela fica com medo e age, mas quando ele(a) vem em sua direção, elas também podem ficar angustiadas e se afastarem.

  • 1
  • 2
Tags:
AmorNamoroRelacionamentoSofrimento
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
2
Milagre do Sol em Fátima
Reportagem local
13 de outubro: o dia em que o mundo presenciou o Milagre do Sol e...
3
Reportagem local
O grande crucifixo submerso que só pode ser visto quando o lago c...
4
MULHER REZANDO
O São Paulo
Rezar deitado: é certo ou errado?
5
Claudio de Castro
Uma alma do Purgatório te agradecerá por isto
6
PRIEST-EUCHARIST-ELEVATION-HOST
Philip Kosloski
O que devemos rezar quando o padre eleva a hóstia e o cálice?
7
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia