Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Julho |
Santos Abdon e Sénen
home iconAtualidade
line break icon

Catalunha, uma região estratégica para a Espanha

MĘŻCZYZNA Z KATALONII

AP/EAST NEWS

Agências de Notícias - publicado em 10/10/17 - atualizado em 10/10/17

Região espanhola do tamanho da Bélgica, a Catalunha é uma das mais estratégicas para a quarta maior economia da zona do euro.

– Turística, moderna, endividada –

Este território, que possui língua e cultura próprias, delimitado pelo Mediterrâneo e pelos Pirineus, representa 6,3% da área total da Espanha, 16% da população e um quinto de seu PIB.

Terra dos pintores Salvador Dalí e Joan Miró, do arquiteto Antoni Gaudi, onde se dança a sardana e se constroem pirâmides humanas (Castells), a Catalunha atrai 22,5% do turismo espanhol.

No esporte, Barcelona é a única cidade espanhola a sediar os Jogos Olímpicos, em 1992. O FC Barcelona de Lionel Messi, berço dos jogadores da “Roja”, é o segundo clube com mais títulos do país, com 24 Ligas e cinco Ligas dos Campeões.

A Catalunha é o lar de indústrias de ponta e centros de pesquisa importantes, particularmente no campo da energia nuclear e da biomedicina.

Também é responsável por um quarto das exportações da Espanha e tem uma taxa de desemprego de 13,2%, quatro pontos abaixo do que o restante do país.

É também uma das mais endividadas, com uma dívida pública que representa 35,2% de seu PIB (75,4 bilhões de euros no final de março) e deve retirar regularmente dinheiro de um fundo especial do Estado espanhol.

Nesse aspecto, a região denuncia a distribuição desigual dos fundos públicos na Espanha, o que seria responsável por sua asfixia financeira.

– Amplas competências –

Berço do anarquismo na Espanha, a Catalunha manteve diversas vezes ao longo da história relações complexas com o poder central.

O ditador Francisco Franco retirou suas competências e infligiu uma dura repressão após a queda de Barcelona, fortaleza republicana, proibindo o uso oficial da língua catalã.

Hoje, a região dispõe de poderes muito amplos, desfrutando o status de “comunidade autônoma histórica”, assim como o País Basco (norte), a Galícia (noroeste) e a Andaluzia (sul).

Em virtude de um sistema que faz da Espanha um país muito descentralizado, a Catalunha tem de respeitar a Constituição, mas administra diretamente a Saúde e a Educação, ao ponto de ser, às vezes, acusada pelos conservadores de minimizar o uso do castelhano e de manipular os programas de história.

Tem sua Polícia, os “Mossos d’Esquadra”, que também devem seguir as instruções do poder central.

– Nacionalista –

Foi, por muito tempo, administrada pela Convergencia i Unio (CiU, Convergência e União, nacionalista e conservadora) de Jordi Pujol, presidente regional entre 1980 e 2003.

Pujol fazia chover e trazia sol na Catalunha e em Madri, onde manejava o apoio da direita e da esquerda. Ser indiciado em 2010 por casos de fraude e de corrupção fiscal prejudicou sua imagem.

A partir de 2003, a Catalunha passou a ser liderada por uma coalizão da esquerda que obteve o reforço de suas competências. Esse “status” foi parcialmente revogado pelo Tribunal Constitucional em 2010, porém, o que nutriu o sentimento de independência e levou os nacionalistas de volta ao poder com Artur Mas, presidente regional entre 2010 e o final de 2015.

A crise econômica também alimentou o separatismo.

Conservador como Pujol, Artur Mas, um nacionalista, gradualmente abraçou a causa separatista e organizou, em 9 de novembro de 2014, uma primeira “consulta” sobre a independência, proibida pela Justiça.

Os separatistas de esquerda e de direita formaram a coalizão “Junts pel Si” e venceram as eleições regionais de setembro de 2015, reivindicadas como uma espécie de plebiscito sobre a independência. Registrou-se uma participação recorde de 77,4%.

Os partidos favoráveis à independência receberam 47,6% dos votos, o que lhes assegurou uma maioria de 72 das 135 cadeiras do Parlamento.

Em 10 de janeiro de 2016, Carles Puigdemont sucedeu a Artur Mas, com o objetivo de liderar a região para a independência até 2017.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Ítalo Ferreira
Reportagem local
Ouro no surfe em Tóquio, Ítalo Ferreira rezou todos os dias às 3h...
2
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
3
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
4
CANDLELIGHT PROCESSION AND ROSARY
Elizabeth Zuranski
A oração escondida no fim da Ave-Maria
5
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
6
morning
Philip Kosloski
Uma oração da manhã fácil de memorizar
7
Madagascar
Francisco Vêneto
Seca e fome em Madagascar obrigam pessoas a comer solas de sapato...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia