Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 19 Outubro |
Santos Mártires Canadenses
Aleteia logo
home iconPara Ela
line break icon

O que fazer quando o estresse ou a tristeza te empurram para a geladeira

WOMAN,REFRIGERATOR

Shutterstock

María Eugenia Brun - publicado em 12/10/17

"Fome emocional?" Estas dicas úteis podem ajudar você a se afastar da compulsão alimentar

Muitas vezes comemos sem realmente precisar… porque estamos entediados, tristes, felizes, irritados ou ansiosos. O comer emocional é uma maneira de lidar com o estado de espírito, mas precisamos aprender a canalizar nossas emoções para que possamos voltar a ter hábitos alimentares saudáveis.

A fome emocional é um apetite falso que aparece em qualquer momento do dia. Ao contrário da fome fisiológica verdadeira, que aparece gradualmente à medida que as refeições se aproximam, a fome emocional pode surgir de repente e não é seletiva.

Um estudo publicado na revista Nutrition Update pela nutricionista argentina Monica Katz e sua colega Vanesa Anger revela que a fome emocional ocorre mais frequentemente nas mulheres do que nos homens e mostra que as mulheres são mais propensas do que os homens a comer por ansiedade. As mulheres também preferem doces, enquanto os homens preferem alimentos salgados.

Fatores que contribuem para a compulsão alimentar

Quando nos deparamos com situações que causam estresse, ansiedade ou quando temos um problema, a comida pode ser uma fuga temporária.

Pode acontecer quando estamos lidando com uma emoção negativa, ou quando não temos tempo suficiente para certos hobbies, ou por problemas com o nosso trabalho ou a nossa vida social, ou simplesmente por causa do tédio com nossa dieta diária (por exemplo, falta de criatividade na preparação de pratos diferentes). Estas são situações na vida quotidiana que te levam a comer como uma forma de buscar gratificação imediata.

Além disso, o mercado de hoje oferece uma infinidade de alimentos que estimulam o lanchar excessivo. Estes são alimentos ricos em calorias com muitas gorduras saturadas e açúcares simples que nos dão esse impulso de prazer e bem-estar causado pela liberação de endorfinas e dopamina em nosso cérebro. Infelizmente, esse impulso de felicidade é momentâneo e, quando acaba, continuamos sendo os mesmos ou ficamos pior do que antes.

Consequências para a saúde

O impacto na saúde pode variar de acordo com o que, com que frequência e quanto nós comemos. O pior caso, quando perdemos completamente o controle, é bulimia nervosa – mas geralmente não começa assim.

A primeira consequência é o aumento de peso, onde você pode se tornar obeso e pode desencadear outras mudanças metabólicas e hormonais, como diabetes, colesterol alto, hipertensão, problemas reprodutivos e excesso de ácidos graxos, para mencionar alguns.

Dicas para lidar com a fome emocional

  1. Pense e reflita sobre o que está acontecendo. Procure o problema e pergunte-se por que você sente que precisa desse alimento em particular para “se sentir melhor”. Pergunte a si mesmo: estou realmente com fome ou estou apenas enfrentando ansiedade ou tédio?
  2. Siga uma dieta variada e equilibrada, sem proibições desnecessárias, mas com cada alimento na medida certa. Desfrute seus alimentos favoritos de vez em quando.
  3. Tire um tempo para agradecer a Deus antes de suas refeições.
  4. Aprenda novas receitas. Prepare-as e compartilhe-as com a família para que você não fique entediada com os mesmos pratos.
  5. Mastigue bem sua comida e dê tempo suficiente para perceber quando você já está satisfeita, de modo que você não coma demais.
  6. Quando você sente que não pode se controlar e está morrendo de vontade de abrir um saco de salgadinho tamanho gigante, reze, saia ao ar livre, ande de bicicleta, exercite-se, ouça música, chame uma amiga para conversar ou procure algo que irá distraí-la no momento.

É muito importante identificar este problema no início, já que nossos hábitos alimentares são definidos desde a infância. E se o problema persistir e você sente que não pode superá-lo por conta própria, procure a ajuda de um médico para obter o apoio que você precisa.

Tags:
Saúde
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
2
AVENIDO BROTHERS
Agnès Pinard Legry
Três irmãos são ordenados padres no mesmo dia
3
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
4
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
5
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
6
Reportagem local
O grande crucifixo submerso que só pode ser visto quando o lago c...
7
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia