Aleteia

Ele tem 90 anos, 12 filhos e celebra 2 missas por dia na catedral

Arquivo Pessoal - Padre José Brombal
Compartilhar
Comentar

Os caminhos de Deus na impactante história de vida do padre José Brombal, de Jundiaí

José Brombal vive em Jundiaí, no Estado brasileiro de São Paulo, e é pai de doze filhos: Anselmo, Maria Aparecida, Maria José, Maria Conceição, Maria das Graças, Paulo Alberto, Maria Salete, Maria Ana, Maurílio Luís, José Carlos, Plinio Eduardo e Maria Claúdia.

Todos eles têm orgulho do pai, que, aos 90 anos de idade, celebra diariamente a Santa Missa na Catedral Nossa Senhora do Desterro.

Você não leu errado, não. O padre José Brombal tem 12 filhos e é um dos muitos exemplos de homens que, após o falecimento da esposa, ouviram em seu coração o chamado de Deus ao sacerdócio católico.

Para muita gente pode soar surpreendente, mas é prática antiquíssima: a Igreja católica permite que viúvos sejam ordenados padres, desde que os filhos sejam maiores de idade e economicamente independentes do pai.

Antes de ser ordenado sacerdote, José trabalhou durante muitos anos como marceneiro e carpinteiro, ofícios que sustentaram a numerosa família sempre com dignidade. Sua vida começou a mudar radicalmente em 1986, quando, após 34 anos de casamento, a esposa faleceu. Em entrevista de agosto de 2017 ao portal G1, o sacerdote declarou:

“Não fiquei abalado com a morte dela, pois nós temos que aceitar que tudo tem um princípio e um fim. Eu acredito que isso tenha sido um propósito de Deus na minha vida”.

Arquivo Pessoal - Padre José Brombal

Algum tempo depois do falecimento da esposa, José foi convidado pelo bispo para se tornar diácono. Todos os filhos apoiaram:

“Sempre fui católico e, quando recebi o convite, eles não ficaram surpresos com a minha decisão”.

Como pároco, o pe. José acolhe fiéis no confessionário da igreja todos os dias e testemunha:

“São pessoas de todas as idades. As pessoas têm fome de Deus. Tudo você tem que fazer por amor, e isso, graças a Deus, tenho feito”.

Além de ouvir as confissões e dar a absolvição em nome de Cristo, o pe. José celebra duas missas por dia. Só para recordar: ele tem 90 anos de idade.

“A religião é o ‘religare’, é ligar o homem a Deus, e é o que vale a pena para mim. Já tenho 90 anos. Penso que estou aqui para ajudar as pessoas e isso me faz feliz”.

Os caminhos de Deus são fascinantes!

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia