Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Por que dizemos que precisamos “ter mais paciência que Jó”?

Compartilhar

O personagem do Antigo Testamento é um bom exemplo para quem acha que está carregando uma cruz muito pesada

Diante dos problemas do dia a dia, sempre tem alguém que desabafa: “é preciso ter mais paciência que Jó”. Às vezes, as pessoas dizem isso sem conhecer o real significado da expressão. Quem era Jó? Ele foi um homem muito paciente?

Vamos tentar responder a essas questões e revelar a origem da expressão.

Um sujeito muito rico e bom-caráter

Sobre Jó, que aparece em um dos livros do Antigo Testamento, a Bíblia narra que ele era um homem muito rico e de bom comportamento. Tinha sete filhos e três filhas, além de 7 mil ovelhas , 3 mil camelos, asnos e bois

De vez em quando, Jó costuma sacrificar alguns de seus animais para pedir perdão a Deus pelos pecados de seus filhos.

Conta-se que, um dia, Satanás, observando Jó e suas virtudes, afirmou que ele era fiel a Deus por ser rico e por nada lhe faltar. Então, Satanás pediu para que lhe fosse permitido causar a Jó alguns problemas para ver se ele continuaria fiel a Deus. E Deus concordou.

“O Senhor me deu, o Senhor me tirou”

Certo dia, Jó estava almoçando sozinho quando chegou um mensageiro, dizendo: “seus bois e asnos estavam pastando. Os guerrilheiros chegaram, mataram os trabalhadores e roubaram os animais.”

O homem nem tinha terminado de falar quando chegou outro funcionário para dar mais uma notícia: “caíram raios do céu e mataram todas as suas ovelhas e seus pastores”. Em seguida, apareceu outro trabalhador: “os inimigos do país vizinho atacaram os camelos, mataram os muleiros e levaram todos os animais.”

Neste momento, apareceu o quarto mensageiro: “seus sete filhos e suas três filhas estavam almoçando na casa do mais velho. O teto caiu e matou todos eles”.

Jó, ao tomar conhecimento de todas as desgraças, levantou-se, rasgou seu manto, raspou a cabeça, lançou-se por terra e adorou a Deus, dizendo: nu saí do ventre de minha mãe e nu retornarei para lá. O Senhor deu, o Senhor tirou, bendito seja o nome do Senhor.

 Mais desgraças

 Depois de ver a reação de Jó, Satanás disse que ele se mantinha forte porque não tinha problemas de saúde. E pediu a Deus que lhe desse uma enfermidade. Deus assim o fez.

Jó foi acometido por uma doença na pele. Seu corpo inteiro foi tomado por feridas. Mas ele sempre dizia: “Se aceitamos os bens que Deus nos dá, por que não vamos aceitar os males que Ele permite que nos aconteçam?”.

A conversa com Deus

Certa vez, Jó, em um momento de desespero, disse que talvez o Senhor tivesse exagerado em sua dose de sofrimento.  Nisso, a voz de Deus começou a explicar-lhe sobre as suas criações e afirmou: “Quem é este que se atreve a discutir comigo?”

Jó, humildemente, pediu desculpas ao Criador, que voltou a falar amavelmente, concedendo-lhe o perdão.

Logo, Deus deu a ele o dobro das riquezas que tinha antes. Ele se casou novamente, teve mais sete filhos e três filhas, que, conta-se, foram as mulheres mais belas de seu tempo. Jó morreu com 140 ano, cheio de paz e tranquilidade.

Então, faz ou não sentido dizermos que “precisamos ter a paciência de Jó”?