Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Arrebentada em 200 pedaços: a impactante experiência da restauradora da imagem de Aparecida

Restauração da imagem de Aparecida por Maria Helena Chartuni
Wikipedia / Maria Helena Chartuni, Portal A12
Compartilhar

Em maio de 1978, um histórico atentado despedaçou a imagem original de barro em pedacinhos que chegavam a ter milímetros de tamanho

A imagem de Nossa Senhora Aparecida é venerada por milhões de brasileiros, mas também é agredida por algumas dezenas raivosas – inclusive materialmente.

Desde manifestações hipocritamente autodenominadas “artísticas” até gestos aberrantemente violentos como chutes e despedaçamentos propositais, passando por provocações e declarações debochadas, a imagem que representa a Mãe de Jesus é alvo frequente de ódios e intolerâncias.

Mas o grande atentado histórico perpetrado contra a imagem de Nossa Senhora Aparecida atingiu nada menos que a estátua original: em maio de 1978, na Basílica antiga de Aparecida, ela foi arrebentada pelo agressor em mais de 200 pedaços, alguns deles milimétricos.

Este símbolo mariano de valor inestimável para os católicos brasileiros precisou passar por um delicadíssimo e surpreendente processo de restauração confiado à artista plástica Maria Helena Chartoni.

Nesta entrevista à TV Aparecida, ela conta a sua impactante experiência tanto de profissionalismo quanto de espiritualidade, derivada do privilégio de restaurar a mais importante representação material de Nossa Senhora em nosso país.