Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Aleteia

Dormir 8 horas por noite pode salvar a sua vida

Compartilhar
Comentar

Falta de sono pode causar crises cardíacas, AVC, diabetes, obesidade, câncer, problemas imunológicos, agressividade, dependências e transtorno bipolar

Precisamos, em média, de oito horas de sono por noite para “funcionar” corretamente. Quando vamos reduzindo o descanso noturno primeiro em uma hora, depois em duas, depois em três e até em mais horas roubadas do sono, a consequência direta é perceptível: ficamos cansados, distraídos e… doentes.

Matthew Walker é especialista em sono. Ele dirige o Center for Human Sleep Science (Centro de Ciências do Sono Humano) da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) e, recentemente, explicou ao jornal britânico The Guardian o quanto o desrespeito à importância do sono é perigoso:

“Se há uma coisa que eu digo às pessoas é para dormirem e acordarem no mesmo horário todos os dias, independentemente das circunstâncias. Eu levo o meu sono muito a sério porque já vi os riscos. Depois de apenas uma noite em que você dorme só quatro ou cinco horas, os seus mecanismos de autodefesa, aqueles que atacam as células cancerosas que aparecem no seu corpo todos os dias, decaem cerca de 70%. A falta de sono pode ser uma das causas de câncer do intestino, da próstata ou de mama. A Organização Mundial da Saúde classificou toda forma de trabalho noturno como potencialmente cancerígena. Sabendo disso tudo, como você pode menosprezar o sono?”

A falta de sono é causa de graves doenças

Matthew Walker não pretendia estudar o sono: as suas pesquisas começaram com pacientes que sofriam de demência. Mas ele não obteve avanços significativos até perceber que alguns tipos de demência atacam os centros cerebrais relacionados ao controle do sono. Foi então que ele criou um laboratório do sono para monitorar as ondas cerebrais de pacientes afetados pela demência enquanto eles dormiam.

O professor descobriu que o sono poderia representar um novo diagnóstico precoce para diferentes tipos de demência. Mas a privação do sono, definida como menos de sete horas por noite, é repleta de outras consequências sérias além da demência: ela exerce influência em crises cardíacas, acidentes vasculares cerebrais, diabetes, obesidade, câncer, problemas imunológicos, agressividade, dependências e transtorno bipolar, entre outros quadros.

Essa lista sozinha já não merece que nos perguntemos com mais atenção e sinceridade sobre a situação atual do nosso sono?

A importância de fazer boas escolhas

É verdade que privar-se do sono é às vezes inevitável, em especial para mamães e papais de crianças pequenas ou que estão doentes – e é óbvio que não se pode “culpar” os pais que cuidam dos próprios filhos! Mas sacrificar o sono habitualmente para fazer tarefas de trabalho ou para assistir aos episódios da série do momento não só não é responsável como é de fato uma péssima decisão.

É mentira que aumentaremos a nossa produtividade reduzindo a nossa expectativa de vida.

Se você está sofrendo de distúrbios do sono, talvez seja o caso de procurar um especialista. Existem soluções.

Enquanto isso, a primeira medida urgente é apagar aquela luz azul das telas de smartphone, tablet, computador e televisão pelo menos meia hora antes de se deitar para dormir. Daqui a poucos anos, você agradecerá a si mesmo por ter feito esse pequeno sacrifício – que é um enorme remédio.