Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Depósito de ajuda humanitária bombardeado em zona rebelde da Síria

FIREMEN
Compartilhar

Um depósito onde estavam armazenados alimentos de um comboio de ajuda humanitária em uma região rebelde da Síria foi bombardeado nesta quarta-feira (15), indicou um responsável local, três dias após a chegada dos suprimentos na zona abalada por uma grave crise humanitária.

No domingo, tinham chegado a Duma alimentos e medicamentos para 21.500 pessoas necessitadas, pela primeira vez em três meses, segundo o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICR). Duma é a cidade mais importante de Ghuta oriental, zona rebelde sitiada a leste de Damasco.

Desde então, as organizações humanitárias tinham distribuídos dois terços da ajuda, mas precisaram interromper as operações devido aos violentos combates na região, indicou à AFP o vice-prefeito do município.

“O depósito foi bombardeado com dois foguetes. Contudo, um terço da ajuda estava armazenada”, afirmou Iyad Abdelaziz. “Recuperamos o que pudemos e levamos para outro lugar”.

Em Duma, a AFP escutou nesta quarta-feira fortes bombardeios aéreos e disparos de foguetes. Escolas estavam fechadas pelos intensos bombardeios.

Os quase 400 mil habitantes de Ghuta oriental sofrem com a falta de alimentos e medicamentos pelo sítio imposto desde 2013 pelas forças do regime de Bashar al Assad.

A região de Ghuta é uma das quatro zonas de distensão instauradas na Síria para dar fim aos combates, mas nos últimos dias foram retomados os bombardeios do regime na região.

Segundo o CICR, entraram em Duma no domingo 24 caminhões enviados em conjunto com as Nações Unidas.

A ONU, o Programa Mundial de Alimentos (PMA) e o CICR não estavam disponíveis para comentar os bombardeios desta quarta-feira.

Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), dois civis morreram por esses bombardeios.

(AFP)