Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

O impressionante milagre que aconteceu no deserto egípcio

Compartilhar

Um monge incrédulo não tinha noção do que estava para acontecer naquela Missa...

Nos séculos III e IV, muitos homens e mulheres se inspiravam no exemplo de um humilde eremita – agora conhecido como Santo Antônio Abade – e deixavam tudo o que tinham para levar uma vida de oração e contemplação no deserto egípcio.

Um dos centros principais deste tipo radical de vida monástica foi uma região conhecida como Scetis, localizada ao noroeste do Delta do Nilo. Segundo antigos registros, lá viveu um monge que tinha dúvidas sobre a presença de Jesus na Eucaristia.

Ele costumava dizer aos seus irmãos monges que “o Pão que recebemos não é o Corpo de Cristo, mas um símbolo desse Corpo”.

Questionado por membros da comunidade monástica, ele retrucou: “Se vocês não me mostrarem provas, não mudarei a minha opinião”.

Mais tarde, durante uma Missa de domingo, quando o desconfiado monge disse as palavras de consagração sobre a hóstia eucarística, um menino apareceu em suas mãos, no lugar do pão consagrado. Ficou claro para o monge que era o Menino Jesus. No momento em que ele foi colocar a hóstia na boca, a hóstia tomou novamente a forma do pão consagrado. Diante deste inesperado milagre, o monge declarou: “Senhor, creio que o teu Pão é o Teu Corpo e que o Teu Sangue está no cálice”.

Esse milagre evoca uma conexão similar que muitos santos e santas expressaram ao longo dos séculos. Eles acreditavam que cada Missa é como o Natal, quando cristo desce dos céus para ficar em nossos altares. Desta maneira, todos os dias são “Natais”, pois Jesus “está entre nós” sob a aparência do pão.