Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Morre o menino da voz de anjo, que encantou um país e fez São João Paulo II chorar

Adrian Guacaran
Compartilhar

Ninguém esperava: quando a voz do menino se levantou, um silêncio absoluto e fascinado reinou no meio da multidão, em plena missa campal

Durante a primeira visita do Papa São João Paulo II à Venezuela, em janeiro de 1985, um menino o comoveu até as lágrimas na Santa Missa em Ciudad Guayana e, ao longo da visita, fez o Santo Padre pedir diversas vezes que repetissem a marcante canção “El Peregrino”.

A emoção provocada na Venezuela pela visita histórica do pontífice gravou aquela música e a voz de anjo daquele menino na memória do povo como um dos episódios mais bonitos da história recente desse país, tão martirizado há anos por uma ideologia raivosa e rancorosa que o vem reduzindo à miséria.

O menino se chamava Adrián Guacarán. A sua voz, preciosa, se destacou na missa multitudinária que São João Paulo II presidia em campo aberto. Ninguém esperava. Quando a voz do menino se levantou, um silêncio absoluto e fascinado reinou entre a multidão.

O Papa, assombrado com a potência e a doçura daquela voz, o procurava entre o mar imenso de cabeças que também se empinavam para localizar a origem daquele canto angelical. Os vídeos mostram um Papa curioso e comovido, movendo a cabeça de um lado para o outro até visualizar o menino que cantava.

Foi um momento mágico. Hoje, impactados com a notícia da morte de Adrián Guacarán, todos nós, venezuelanos, o recordamos com orgulho.

A viúva de Adrián contou que o músico de 44 anos sofria de insuficiência renal.

“Veio uma senhora e encheu quatro frascos de albumina, mas não era suficiente. Ele não recebeu o tratamento completo. Foram tantas coisas necessárias que faltaram”, lamentou Sheila de Guacarán.

VENEZUELA
Adrian Guacaran - Facebook

A família relatou à mídia que a doença de Adrián surgiu de repente. Em menos de uma semana, aconteceu tudo – até a morte. Eles o levaram ao médico assim que as suas pernas começaram a inchar. Adrián nem sequer conseguia caminhar.

“Ele foi forte. Não esperávamos isso, porque você tenta manter a esperança até o fim, mas, de repente, começou a agonia. Até que ele faleceu”, resumiu um familiar.

Mais uma vítima jovem da crise que assola também os serviços de saúde da Venezuela bolivariana, o artista que o país conheceu como o menino da voz de anjo partiu desta vida deixando um filho de 13 anos de idade.

Que Adrián descanse em paz e Deus dê consolo e ajuda à família.

Este vídeo resgata o canto do menino na missa com o Papa: