Aleteia
Quinta-feira 22 Outubro |
São Moderano
Atualidade

ONGs: todos sabiam da venda e tortura de migrantes na Líbia

© Arif Ali / AFP

Agências de Notícias - publicado em 26/11/17

Denunciada por dirigentes ocidentais e africanos, a situação de milhares de migrantes africanos na Líbia, estuprados, torturados e escravizados, era conhecida há tempos, afirmam organizações não governamentais e analistas que alertam sobre o caso há meses.

As imagens de um aparente leilão de jovens africanos na região de Trípoli, em que homens negros são apresentados a compradores do norte da África como possível mão de obra, foram difundidas pela CNN no dia 14 de novembro. Depois disso, se propagaram rapidamente nas redes sociais e provocaram uma onda de indignação mundial.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, se disse horrorizado, o presidente da União Africana (UA), Alpha Condé, indignado e a União Europeia, enojada.

“Hipocrisia”, denuncia o senegalês Hamidou Anne, analista do think tank África de las Ideas, já que, “com exceção do cidadão comum, todo mundo sabia, os governantes, as organizações internacionais, os líderes políticos” sobre a situação na Líbia.

“A tomada de refém, a violência, a tortura, os estupros eram normais na Líbia, e da escravidão já se fala faz tempo”, insiste Alioune Tine, diretor para África ocidental e central na Anistia Internacional, com sede em Dacar.

A Líbia, país imerso caos, se tornou um importante ponto de passagem para os migrantes que tentam chegar à Europa pelo Mediterrâneo. Muitos deles foram vítimas dos traficantes de seres humanos.

“Na Líbia, os negros não têm nenhum direito”, disse em setembro à AFP Karamo Keita, um jovem da Gâmbia de 27 anos, reenviado a seu país. “Fomos levados a várias fazendas onde nosso carcereiro líbio nos vendia como escravos”.

– ‘Torturas e extorsões’ –

As organizações de ajuda aos migrantes estão há tempo alertando sobre a piora da situação.

Desde o mês de abril, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) informava sobre a existência de “mercados de escravos” na Líbia. “Se transformam em mercadorias para comprar, vender e jogar fora quando já não valem mais nada”, comentou Leonard Doyle, porta-voz da OIM em Genebra.

A presidente do Médicos Sem Fronteiras, Joanne Liu, também denunciou em setembro, em uma carta aberta aos governos europeus, “uma empresa próspera para sequestro, tortura e extorsão” na Líbia.

“Em seus esforços por conter o fluxo (migratório), os governos europeus estarão dispostos a assumir o preço do estupro, da tortura e da escravidão?”, questionou. “Não podemos dizer que não sabíamos disso”, sentenciou.

Na semana passada, o Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein, denunciou a deterioração das condições de detenção de migrantes no país, qualificando de desumana a política da UE que consiste “em ajudar os guarda-costeiros líbios a interceptar e reenviar os migrantes”.

Uma acusação rejeitada por Bruxelas, que destaca seus esforços para “salvar vidas” no mar e “facilitar o acesso da OIM e da Agência da ONU para os Refugiados (Acnur) aos centros de detenção na Líbia para que possa aumentar o nível de assistência e organizar regressos voluntários”.

Para Alioune Tine, a Europa “tem uma responsabilidade fundamental no desastre atual, mas não é a única”.

“Os países africanos não fazem nada para reter os jovens, para dar trabalho a eles. Não têm política de migração”, lamenta.

“Isso não pode continuar assim. Diante de um crime contra a humanidade não podemos não nos indignar, temos que atuar”, considera Hamidou Anne, criticando a passividade dos dirigentes africanos e o “racismo sistemático nos países do Magreb”.

Alioune Tine propõe que a questão erradicar a escravidão seja abordada na cúpula entre a UE e a UA, que se celebrará em 29 e 30 de novembro em Abidjã.

“É preciso uma comissão de investigação imparcial para ver como se organiza este contrabando, quem são os responsáveis. E que todo mundo assuma suas responsabilidades”, conclui.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Papa Francisco São José Menino Jesus
ACI Digital
Papa Francisco reza esta oração a São José há...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia