Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Atualidade

Em Mianmar, Papa pede respeito a todos os grupos étnicos

POPE AUN SUN SU KI

Handout - OSSERVATORE ROMANO - AFP

Le pape François recontre Aung San Suu Kyi le 28 novembre 2017, lors de son voyage en Birmanie.

Agências de Notícias - publicado em 28/11/17

O papa se pronunciou após encontrar a líder birmanesa Aung San Suu Kyi no palácio presidencial

O Papa Francisco pediu nesta terça-feira (28), em Mianmar, o “respeito a todos os grupos étnicos”, mas evitou pronunciar a palavra “rohingya”, e não fez menção direta ao êxodo desta minoria muçulmana vítima de perseguições.

Contrariamente a sua postura habitual, o pontífice evitou falar diretamente da violência no oeste de Mianmar. Desde o final de agosto, mais de 620.000 rohingyas se refugiaram em Bangladesh, fugindo dos abusos, assassinatos e torturas cometidos pelo Exército birmanês e por milícias budistas.

Em um discurso pronunciado diante das autoridades civis do país na capital de Naypyidaw, no segundo dia da primeira visita de um papa a Mianmar, Francisco também pediu um “compromisso pela justiça e respeito aos direitos humanos”.

O papa se pronunciou após encontrar a líder birmanesa Aung San Suu Kyi no palácio presidencial, na capital Naypyidaw, para uma reunião de 45 minutos.

No encontro, Suu Kyi se comprometeu a proteger os direitos e promover a tolerância para todos.

“Nosso governo tem como objetivo realçar a beleza de nossa diversidade e reforçá-la, ao incentivar a tolerância e garantira segurança para todos”, declarou a Prêmio Nobel da Paz.

A Igreja birmanesa defende a Nobel da Paz diante das múltiplas críticas à sua falta de empatia por esta minoria que vive principalmente no oeste do país.

Sinal da reprovação internacional, a cidade britânica de Oxford, onde Suu Kyi estudou e criou seus filhos, retirou o título honorário entregue a ela em 1997.

“Hoje, tomamos a medida sem precedentes de despojá-la da mais alta honra da cidade por sua falta de ação diante da opressão da minoria dos rohingyas”, afirma o texto, aprovado por unanimidade.

– Temores da Igreja local –

O discurso do papa era aguardado com ansiedade. Em agosto, ele expressou “toda sua proximidade”, ao se referir a seus “irmãos rohingyas”.

“Todos nós pedimos ao Senhor que os salve e que inspire homens e mulheres de boa vontade a ajudá-los a ter todos seus direitos respeitados”, acrescentou.

Mas a Igreja Católica local havia pedido que não contrariasse uma população predominantemente budista, usando a palavra “rohingya”, verdadeiro tabu no país.

O arcebispo de Yangun, Charles Bo, primeiro cardeal do país, recomendou que o pontífice evitasse essa palavra e adotasse a expressão “muçulmanos do estado de Rakine”.

Essa terminologia oficial e neutra é a que a líder birmanesa Aung San Suu Kyi gostaria de impor para evitar a guerra semântica entre a denominação “bengali” (usada pela maioria budista de Mianmar) e “rohingya” (usada por esses muçulmanos para se referirem a si mesmos).

O termo “bengali” é devido ao fato de, em Mianmar, serem considerados imigrantes ilegais do vizinho Bangladesh, apesar de muitos deles viverem no país há várias gerações.

“Mesmo sem dizer a palavra, sabemos que se trata dos rohingyas. Devemos apoiar os pobres, aqueles que sofrem”, declarou à AFP uma religiosa católica da Tailândia que viajou para Yangun para assistir à grande missa papal na quarta-feira.

“É claro que desejaria que o papa usasse a palavra rohingya”, disse à AFP Aung Kyaw Moe, um ativista rohingya.

“Pode ser que não use aqui, mas ao final de seu viagem, quando estiver em Bangladesh”, acrescentou.

Segundo as Nações Unidas, o Exército realiza no oeste de Mianmar uma “limpeza étnica” contra os rohingyas.

Isso não impediu o chefe do Exército, general Min Aung Hlaing, de assegurar ao papa na segunda-feira que “não há, de jeito nenhum, discriminação religiosa” no país.

O encontro entre o papa e o general – “de cortesia”, segundo o Vaticano – durou apenas 15 minutos.

Desde a promulgação de uma lei em 1982, os rohingyas foram privados da nacionalidade birmanesa e constituem a maior população apátrida do mundo.

São vítimas de múltiplas discriminações: trabalho forçado, extorsão, restrições à liberdade de circulação, regras injustas de casamento e confisco de terras. Também têm acesso limitado à educação e a outros serviços públicos.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
PapaViagem
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia