Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 29 Outubro |
São Colmano
home iconAtualidade
line break icon

Alemanha envia ex-contador de Auschwitz de 96 anos para a prisão

© DR

Agências de Notícias - publicado em 29/11/17

"Auschwitz é um lugar no qual ninguém deveria ter-se envolvido", admitiu ele

A Justiça alemã decidiu nesta quarta-feira (29) ordenar a prisão de um homem de quase 100 anos, Oskar Gröning, ex-contador do campo de extermínio de Auschwitz, para cumprir uma sentença de quatro anos.

Atualmente com 96 anos, Gröning é um dos últimos ex-nazistas a responder por suas ações perante os tribunais, mais de 70 anos após o final da Segunda Guerra Mundial. Nenhum dos condenados mais velhos está preso atualmente.

Em 2015, ele foi sentenciado a quatro anos de prisão por “cumplicidade” no assassinato de 300 mil judeus. Na ocasião, o acusado pediu desculpas e evocou uma “falha moral”.

Ainda assim, apresentou recurso contra sua condenação, confirmada no ano passado pelo Tribunal Federal. Nesta quarta-feira, a Justiça considerou que ele está “apto” para cumprir sua sentença.

“Com base na opinião de peritos, o tribunal presume que o condenado está apto a cumprir a sentença, apesar de sua idade avançada”, afirmou, em um comunicado, o Tribunal de Apelação de Celle, centro da Alemanha.

– Igualdade para cumprir pena –

O tribunal confirmou assim um primeiro julgamento proferido na mesma direção em meados de agosto.

O condenado tem a possibilidade de iniciar um último recurso, mas a decisão sobre esta apelação não tem efeito suspensivo.

O Estado tem a obrigação de garantir aos cidadãos “a confiança no funcionamento das instituições e assegurar a igualdade de tratamento de todas as pessoas declaradas culpadas nos processos penais”, afirmou o tribunal.

No entanto, devido à idade avançada de Gröning, o centro de detenção terá de fornecer equipamentos adequados e cuidados médicos.

Durante seu julgamento em julho de 2015, o ex-contador foi censurado por aceitar “um trabalho de escritório seguro” em uma “máquina destinada a matar pessoas” e “insuportável para o espírito humano”.

Em suas requisições, o promotor colocou na balança a “contribuição menor” de Oskar Gröning para o funcionamento de Auschwitz, que se tornou símbolo do inferno vivido nos campos de concentração, com um número “quase inimaginável” de vítimas.

Enquanto o homem assumiu uma “falha moral” e pediu desculpas, sua defesa implorou a absolvição, justificando que ele não “contribuiu” de forma concreta para o Holocausto.

Muito antes de ser pego pela Justiça, este ex-voluntário no Waffen SS havia contado sua experiência em Auschwitz, de 1942 a 1944, em um livro de memórias para seus familiares e em longas entrevistas para “lutar contra o negacionismo”.

“Auschwitz é um lugar no qual ninguém deveria ter-se envolvido”, admitiu ele.

As partes civis comemoraram que, “pela primeira vez depois de meio século de julgamento de crimes nazistas, um acusado reconhece oficialmente sua culpa e pede desculpas por isso”.

– Processos tardios –

As acusações contra o ex-SS foram baseadas em dois pontos: na acusação de ter apoiado o regime financeiramente, enviando dinheiro dos deportados para Berlim, e por ter assistido três vezes à separação na entrada do campo dos recém-chegados entre os considerados aptos ao trabalho e aqueles imediatamente mortos.

Ele se defendeu, assegurando que seu único papel era evitar o roubo da bagagem dos deportados, sem qualquer ligação com o extermínio, e lembrou seus três pedidos infrutíferos de transferência para a frente de combate.

O ex-contador de Auschwitz é um dos últimos nazistas a comparecer perante os tribunais.

Da mesma forma, outros três réus – John Demjanjuk, Reinhold Hanning e Hubert Zafke – foram todos condenados nos últimos anos, ilustrando a severidade, mas muito tardia, da Justiça alemã.

No caso de Hubert Zafke, um ex-enfermeiro de Auschwitz de 96 anos, a Justiça alemã arquivou o processo em setembro, considerando que ele não era mais “apto a comparecer diante do tribunal”, uma decisão que chocou as famílias das vítimas.

Cerca de 1,1 milhão de pessoas, judeus em sua maioria, morreram no campo de Auschwitz-Birkenau entre 1940 e 1945.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia