Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 14 Junho |
Santo Eliseu
home iconEspiritualidade
line break icon

O arrepiante “cântico-tema” do Advento e da espera por Jesus: “Rorate caeli”

Rorate caeli

CC

Reportagem local - publicado em 04/12/17

"Derramai, ó céus, o vosso orvalho do alto, e as nuvens chovam o Justo"

Poucos símbolos são mais eloquentes e poéticos do que a chuva, nem mais ricos em significados aparentemente contraditórios.

Assim como a água e o fogo, a chuva é símbolo, ao mesmo tempo, de vida e de morte, de força e impotência, de renascimento e agonia, de alívio e de angústia, de beleza e horror. Como no ciclo da vida, as faces da chuva se misturam, se confundem, unificando-se, intercalando-se.

Essa imagem tem um poder inspirador extraordinário, que foi usado de modo sublime na composição de um dos hinos litúrgicos mais indissociáveis do período que representa: o Advento.

Stone36 | Shutterstock

Chorai, ó céus!

Estamos no período litúrgico do Advento, o tempo da espera pela vinda do Salvador, que culminará no Natal com o nascimento de Jesus. Um dos cânticos mais belos e sublimes não só do Advento, mas de todo o repertório litúrgico da história do cristianismo, é o “Rorate Caeli“, cujo refrão, que vem do livro do profeta Isaías (45, 8), suplica:

“Que os céus, das alturas, derramem o seu orvalho; que as nuvens façam chover a vitória; abra-se a terra e brote a felicidade e, ao mesmo tempo, ela faça germinar a justiça! Sou eu, o Senhor, a causa de tudo isso”.

Inspirado pelos clamores do Antigo Testamento para que Deus nos resgatasse e nos mandasse o Messias, o “Rorate Caeli” representa magistralmente o espírito de súplica e expectativa do Advento. O espírito de espera e confiança na promessa de Deus.

Ouça o hino

Dedique um momento de recolhimento e oração a ouvir este hino magistral, acompanhando a tradução ao português logo abaixo:

Rorate Caeli

Rorate Caeli desúper et nubes plúant justum
(Derramai, ó céus, o vosso orvalho do alto, e as nuvens chovam o Justo)

Ne irascáris Dómine, ne ultra memíneris iniquitátis
Ecce cívitas Sancti facta est desérta
Sion desérta facta est, Jerúsalem desoláta est.
Domus sanctificatiónis tuae et gloriae tuae
Ubi laudavérunt Te patres nostri.
(Não vos ireis, Senhor, nem vos lembreis da iniquidade.
Eis que a cidade do Santuário ficou deserta:
Sião tornou-se deserta; Jerusalém está desolada.
A casa da vossa santificação e da vossa glória,
Onde os nossos pais vos louvaram)

Rorate Caeli desúper et nubes plúant justum.
(Derramai, ó céus, o vosso orvalho do alto, e as nuvens chovam o Justo)

Peccávimus et facti sumus tamquam immúndus nos,
Et cecídimus quasi fólium univérsi
Et iniquitátes nostrae quasi ventus abstulérunt nos
Abscondísti fáciem tuam a nobis
Et allisísti nos in mánu iniquitátis nostrae.
(Pecamos e nos tornamos como os imundos,
E caímos, todos, como folhas.
E as nossas iniquidades, como um vento, nos dispersaram.
Escondestes de nós o vosso rosto
E nos esmagastes pela mão das nossas iniquidades)

Rorate Caeli desúper et nubes plúant justum.
(Derramai, ó céus, o vosso orvalho do alto, e as nuvens chovam o Justo)

Víde, Dómine, afflictiónem pópuli tui
Et mitte quem missúrus es
Emítte Agnum dominatórem terrae
De pétra desérti ad montem fíliae Sion
Ut áuferat ipse jugum captivitátis nostrae.
(Olhai, ó Senhor, para a aflição do vosso povo,
E enviai Aquele que estais para enviar!
Enviai o Cordeiro dominador da terra
Da pedra do deserto ao monte da filha de Sião
Para que Ele retire o jugo do nosso cativeiro)

Rorate Caeli desúper et nubes plúant justum.
(Derramai, ó céus, o vosso orvalho do alto, e as nuvens chovam o Justo)

Consolámini, consolámini, pópule meus
Cito véniet salus tua
Quare moeróre consúmeris, quia innovávit te dolor?
Salvábo te, noli timére
Ego énim sum Dóminus Deus túus Sánctus Israël, Redémptor túus.
(Consola-te, consola-te, povo meu,
Em breve há de vir a tua salvação!
Por que te consomes na tristeza, se a dor te renovou?
Eu te salvarei, não tenhas medo!
Porque Eu sou o Senhor, teu Deus,
o Santo de Israel, o teu Redentor)

Rorate Caeli desúper et nubes plúant justum.
(Derramai, ó céus, o vosso orvalho do alto, e as nuvens chovam o Justo)

Tags:
AdventoArteLiturgiaNatal
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
BABY GIRL
Mathilde de Robien
12 nomes de meninas cujo significado é ligado a Deus
2
Reportagem local
Poderoso filme de 1 minuto sobre casamento rende prêmio a cineast...
3
Lucía Chamat
A curiosa foto de “Jesus” que está comovendo a Colômb...
4
POPE FRANCIS - PENTECOST MASS - SUNDAY
Comunidade Shalom
Depois da Comunhão, o que (e por quem) é mais aconselhável rezar?
5
Histórias com valor
Após coma, menino deixa a mãe aterrorizada ao dizer que conheceu ...
6
Reportagem local
Papa Francisco explica quais são os piores inimigos da oração
7
PASSION OF THE CHRIST
Cerith Gardiner
7 provações e tribulações que Jim Caviezel enfrentou ao interpret...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia