Aleteia

Como posso ter equilíbrio financeiro no fim do ano?

Shutterstock
Compartilhar
Comentar

Festas, viagens, celebrações, presentes: tudo isso precisa vir junto com as decisões racionais na área financeira

As luzes de Natal começam a surgir e, pouco a pouco, o Brasil começa a entrar no clima de fim de ano, período marcado por festas, celebrações, viagens e férias. Como fica sua vida financeira neste tempo?

Festas de fim de ano costumam ser marcadas por emoções, novidades, encontros e celebrações, o que nos leva a viver uma etapa atípica do ano. E se as decisões financeiras forem baseadas em emoções, podem ser fontes de estresse financeiro.

Vejamos algumas dicas para economizar dinheiro ou, quem sabe, reequilibrar as contas e planejar, racional e não somente emocionalmente, sua vida financeira.

Planejamento Racional × Planejamento emocional

O fim do ano mexe com a emoção das pessoas. Festas, celebrações, presentes, amigos e família. Todo esse pacote de emoções precisa vir junto com as decisões racionais na área financeira – claro que, nem sempre, 100% racionais! –, como explica o ganhador do prêmio Nobel de economia, em 2017, Richard Thaler. Em sua teoria, nossas decisões são, muitas vezes, muito mais irracionais do que imaginamos. Logo, antes de sair às compras ou gastar o suado 13º salário, procure dar uma nota às suas finanças pessoais.

Você tem dívidas a pagar? Elas estão em dia? Existe algum saldo estourado no cartão de crédito, cheque especial ou financiamento atrasado? Se sim, melhor planejar o fim de ano de forma mais modesta, sem abrir mão, claro, de se divertir e celebrar com a família. Melhor planejar, agora mesmo, e criar, dentro de si, a real situação de onde você quer chegar em 2018: com mais dívidas ou menos contas a pagar?

Essas respostas podem ajudá-lo a resistir às inúmeras tentações financeiras que virão. Isso não significa abrir mão de tudo e passar o Natal sem uma boa ceia ou a família reunida. O ponto é: consigo abrir mão de comprar algumas coisas e esperar as promoções de janeiro? Consigo gastar somente o que reservei para este tempo e pagar as contas atrasadas? Se você conseguir quitar algumas dívidas, celebre esse feito!

Black Friday ou Black Fraude?

Dentre as muitas tentações financeiras de fim ano, tenha olhos abertos à Black Friday. Muitos sites acabam não reduzindo preços, apenas usando a publicidade e o consumismo para abocanhar compradores compulsivos. Se o celular ainda funciona, será mesmo preciso trocá-lo agora? Não existe outra urgência maior a ser atendida? Mais uma vez, é importante usar mais razão e menos emoção. Se seus amigos estão comprando, isso não vale de regra para você. O que pode ser bom para eles pode ser ruim para sua saúde financeira.

O Sonho do 13º Salário

Demorou um ano para cair na sua conta; agora, enfim, chegou o décimo terceiro salário! Muita gente já gastou o dinheiro que ainda nem chegou. Então, para e pense nos pontos um e dois acima. Converse com o marido ou a esposa sobre a prioridade da família, dos filhos, da casa, do carro. Se estiver tudo em dia, então, não seria o caso de guardar uma parte do dinheiro para montar uma reserva de emergência? Vamos ao próximo ponto.

O Prevenido não passa aperto: a reserva para emergências

“Procure não gastar tudo o que ganha.” Você já deve ter ouvido essa frase várias vezes, mas a verdade é que, por trás dela, está uma dura realidade: quando você gasta tudo o que ganha, está muito próximo de contrair dívidas. Embora seja por necessidade, e sabe-se que muitos brasileiros vivem num tremendo aperto, a reserva para emergências precisa ser uma meta financeira de longo prazo. Ela precisa existir.

Muitos dos que, hoje, estão em dívidas não tinham coletes salva-vidas quando a “água subiu”, ou seja, não tinham guardado nada para os imprevistos da vida. Por isso, guardar, ainda que seja R$ 30,00 por mês, e comprar um título do tesouro direto pode ser uma meta a ser alcançada. Não estamos falando de investir milhões, apenas 30 reais.

Aplicativos de celular para economizar

Já existem milhares de brasileiro que instalaram aplicativos de celular para controlar as finanças pessoais. Você ainda não possui? Está esperando o quê? Existem variadas opções! No fim do ano, as contas costumam se acumular, e temos de recorrer às ferramentas de auxílio. Não é bom fazer as contas só de cabeça. Se você não tem memória boa, então, melhor nem pensar duas vezes.

Ao instalar um app de finanças, você já pode, desde já, lançar os gastos futuros que pretende ter no fim do ano, bem como os grandes gastos de janeiro. As decisões financeiras racionais, com fundamentos, tendem a ser mais recompensadoras. As decisões puramente emocionais tendem a trazer surpresas desagradáveis financeiramente.

Natal: família, amigos e fé

O sentido do Natal foi muito diluído como forma de estímulo ao consumo. Alguns dizem que até a cor da roupa vermelha do Papel Noel é para associar-lo a uma marca famosa. O fato é que muito se fala no Papai Noel, mas pouco se fala do Cristo. A verdade é que não há problema em dar nem em ganhar presentes. No entanto, também não se pode deixar de entender e explicar aos filhos ou amigos que o Natal é nascimento do Menino Deus, nascido pobre para enriquecer a humanidade. Que tal copiar o modelo de Jesus e ajudar alguma família carente, doando-lhe uma cesta básica ou roupas? Qualquer gesto já o enriquecerá na alma.

Celebre, curta o fim de ano com consciência, equilíbrio financeiro, amor ao próximo e fé no Cristo.

Por Bruno Cunha, via Canção Nova 

Compartilhar
Comentar
Boletim
Receba Aleteia todo dia