Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Antônia Martins de Macedo, a leiga fundadora de uma Congregação

MASS PRAY
Pascal Deloche - Godong
Roman catholic mass. Saint-Martin. France.
Compartilhar

Estamos iniciando o Ano do Laicato promovido pela CNBB, Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Este ano, seremos levados a fazer memória de quantos leigos durante a História da Igreja no Brasil deram sua vida pelo Reino. É hora de perguntar: para que existem os Leigos na Igreja? Qual é a sua identidade e missão? Qual é a sua importância na Igreja e na Sociedade?

Pois bem, Antônia Martins de Macedo (1852-1850), de Piracicaba, SP, foi uma Leiga, participante da Igreja, catequista, propagadora do Coração de Jesus e de Maria nas famílias, visitava e ajudava os leprosos e os presos, era uma mulher simples, que ficou viúva após 5 anos e 10 meses de casada, com três filhos para criar, sendo dois meninos e uma menina deficiente física e mental.

Com a presença dos Frades Capuchinhos, vindos de Trento, Itália, para Piracicaba, conheceu a Ordem Franciscana Secular na qual ingressou. Com algumas das companheiras de Ordem, dedicava-se à costura de roupa para os pobres, formando, na sua oficina, um verdadeiro oratório, pois elas, além de costurar, rezavam o terço e falavam das coisas de Deus. Aquele grupo de leigas foi visitado pelo Espírito Santo que imprimiu nos seus corações um grande desejo de servirem a Deus e aos irmãos.

Antoninha, como era conhecida, em um desses dias, expressou uma inspiração que andava na sua mente, quem sabe há muito tempo: “Morar em uma casa com algumas companheiras para se dedicarem à oração, ao trabalho, ajudando os Capuchinhos em suas árduas missões”. Foi desta inspiração, acolhida na oração pelo grupo de mulheres cheias de fé e coragem, que surgiu o então “Asilo de órfãs Coração de Maria, Nossa Mãe”, inaugurado no dia 2 de Fevereiro de 1898. Dessa obra abençoada – que ainda hoje, após 119 anos, continua seu trabalho com crianças e estende-se à periferia da cidade – é que surgiu, em 1900, a Congregação das Irmãs Franciscanas do Coração de Maria. Tudo fruto do coração de uma leiga que soube ouvir e atender às inspirações do Espírito Santo.

Das quatro primeiras companheiras, que iniciaram o Asilo, duas se tornaram religiosas e duas continuaram leigas a serviço da Obra. A “Congregação da Madre Cecília”, durante sua história, sempre contou com a colaboração dos leigos. Com eles começaram a surgir as Fraternidades de Leigos Franciscanos do Coração de Maria existentes em várias cidades. Elas se comprometem a viver o Carisma de “Ser presença do Coração Materno de Maria” onde houver necessidade. Nos últimos anos, nasceu também, na Congregação, mais uma forma de viver o Carisma: os Consagrados Seculares Franciscanos do Coração de Maria para pessoas solteiras ou viúvas que desejam se consagrar e permanecer na sua casa, engajadas em suas paróquias a serviço do Reino, no seu trabalho e na sociedade onde vivem.

Que o Ano do Laicato seja para todos nós o despertar da nossa identidade e missão como leigos e leigas na Igreja. Assim, Deus poderá continuar realizando seus planos na Igreja e na sociedade.

 

Segue, a título de importante complemento, o Terço da Confiança, por meio do qual muitas pessoas já alcançaram graças pela intercessão da Serva de Deus Madre Cecília:

 

Oração à Santíssima Trindade (no início)

 

Santíssima Trindade, estando presente na minha alma pela vossa graça, eu vos adoro.

Santíssima Trindade, estando presente na minha alma pela vossa graça, fazei que eu vos ame sempre mais.

Santíssima Trindade, estando presente na minha alma pela vossa graça, fazei que eu seja santa.

 

Nas contas do Pai-Nosso, rezar:

 

Ó Maria, fazei que eu viva, em Deus, com Deus e para Deus.

 

Nas contas das Ave-Marias, rezar:

 

O Coração de Maria tudo proverá.

 

Oração final:

 

Oferecimento ao Pai por Cristo

 

Pai Celeste, pelo Coração Imaculado de Maria, ofereço-vos, o vosso Filho diletíssimo e nele, com Ele e por Ele, a minha pessoa, em todas as intenções dele, e por todas as criaturas.

 

Bênçãos da Madre Cecília:

 

Deus te abençoe quantas vezes pensar n’Ele.

Deus te abençoe até o fim, com toda a força do seu poder.

Deus te abençoe como Pai amoroso.

 

Para pedido de material ou relato de graças: mcecilia.processo@fcmaria.org.br.  

 

Vanderlei de Lima é eremita na Diocese de Amparo