Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O intrigante monstro colocado há 1.500 anos sob uma antiga basílica em Istambul

Volodymyr Goinyk | Shutterstock
Compartilhar

A Cisterna foi descoberta há quase 500 anos, graças a estranhas histórias de “água e peixes do subsolo”. Mas o que essas duas cabeças fazem lá?

Em 1545, o erudito francês Petrus Gyllius visitava Constantinopla, a atual Istambul, quando ouviu estranhas histórias de pessoas que extraíam água –e até peixes– do subsolo.

Depois de investigar, ele descobriu algo incrível: uma enorme cisterna debaixo do que já tinha sido uma basílica. A “Cisterna Basílica” fora construída em 532 – portanto, já fazia mais de mil anos (hoje são quase 1.500)!

A obra partiu do imperador bizantino Justiniano I e pretendia armazenar água fresca para o palácio imperial e para os edifícios dos arredores. A maior das várias centenas de cisternas de Constantinopla tinha o tamanho de dois campos de futebol e chegou a conter 80.000 metros cúbicos de água, o suficiente para encher 27 piscinas olímpicas.

Hoje em dia, os turistas podem descer os 52 degraus de pedra até chegarem ao complexo pontuado por 335 colunas de mármore de 9 metros de altura, reutilizadas de ruínas romanas. No passado, os visitantes podiam passear pela cisterna em barcos a remo; após uma dragagem realizada nos anos 1980, porém, eles hoje caminham numa passarela sobre as águas, já menos profundas.

Ainda há peixes em seu interior. Conta-se que, no início, eles foram usados como medida de segurança, tal como o canário na mina de carvão: se a água estivesse intoxicada, os peixes flutuariam na superfície.

Permanece um mistério o motivo da presença de duas cabeças gigantes da Medusa, que sustentam colunas em um dos extremos da cisterna.

Segundo a mitologia grega, a Medusa era um monstro cujos cabelos eram serpentes vivas e cujo olhar transformava em pedra quem quer que a visse. Na cisterna, uma das cabeças de Medusa está de lado e a outra com a boca para baixo: há quem afirme que se trata meramente de esculturas que foram recuperadas de ruínas romanas e colocadas ali só porque tinham forma e tamanho adequados para apoiar as colunas, sem qualquer outro significado.

Outros historiadores, no entanto, teorizam que os cristãos que construíram a cisterna puseram as estátuas pagãs de boca para baixo propositalmente, como forma de declarar a derrota do paganismo.