Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 27 Julho |
São Galactório
home iconCultura e Viagem
line break icon

O intrigante monstro colocado há 1.500 anos sob uma antiga basílica em Istambul

Volodymyr Goinyk | Shutterstock

Zelda Caldwell - publicado em 13/12/17

A Cisterna foi descoberta há quase 500 anos, graças a estranhas histórias de “água e peixes do subsolo”. Mas o que essas duas cabeças fazem lá?

Em 1545, o erudito francês Petrus Gyllius visitava Constantinopla, a atual Istambul, quando ouviu estranhas histórias de pessoas que extraíam água –e até peixes– do subsolo.

Depois de investigar, ele descobriu algo incrível: uma enorme cisterna debaixo do que já tinha sido uma basílica. A “Cisterna Basílica” fora construída em 532 – portanto, já fazia mais de mil anos (hoje são quase 1.500)!

A obra partiu do imperador bizantino Justiniano I e pretendia armazenar água fresca para o palácio imperial e para os edifícios dos arredores. A maior das várias centenas de cisternas de Constantinopla tinha o tamanho de dois campos de futebol e chegou a conter 80.000 metros cúbicos de água, o suficiente para encher 27 piscinas olímpicas.

Hoje em dia, os turistas podem descer os 52 degraus de pedra até chegarem ao complexo pontuado por 335 colunas de mármore de 9 metros de altura, reutilizadas de ruínas romanas. No passado, os visitantes podiam passear pela cisterna em barcos a remo; após uma dragagem realizada nos anos 1980, porém, eles hoje caminham numa passarela sobre as águas, já menos profundas.

Ainda há peixes em seu interior. Conta-se que, no início, eles foram usados como medida de segurança, tal como o canário na mina de carvão: se a água estivesse intoxicada, os peixes flutuariam na superfície.

Permanece um mistério o motivo da presença de duas cabeças gigantes da Medusa, que sustentam colunas em um dos extremos da cisterna.

Segundo a mitologia grega, a Medusa era um monstro cujos cabelos eram serpentes vivas e cujo olhar transformava em pedra quem quer que a visse. Na cisterna, uma das cabeças de Medusa está de lado e a outra com a boca para baixo: há quem afirme que se trata meramente de esculturas que foram recuperadas de ruínas romanas e colocadas ali só porque tinham forma e tamanho adequados para apoiar as colunas, sem qualquer outro significado.

Outros historiadores, no entanto, teorizam que os cristãos que construíram a cisterna puseram as estátuas pagãs de boca para baixo propositalmente, como forma de declarar a derrota do paganismo.

Tags:
HistóriaHistória da Igreja
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
5
JENNIFER CHRISTIE
Jeff Christie
Minha mulher engravidou de um estuprador – e eu acolhi o bebê nas...
6
CONFESSION, PRIEST, WOMAN
Julio De la Vega Hazas
Por que não posso me confessar diretamente com Deus?
7
Anna Gębalska-Berekets
O que falar (e o que não falar) a um ente querido com câncer
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia