Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Por que a internet não deu voz a “legiões de imbecis”

SZTUCZNA INTELIGENCJA
Shutterstock
Compartilhar

A sociabilidade virtual pode representar um ganho de complexidade e metaestabilidade para o conjunto da vida social

Um famoso escritor italiano disse que as redes sociais na internet deram voz a “legiões de imbecis que antes só falavam no bar”. Mas será mesmo?

De fato, até pouco tempo atrás, as pessoas conectavam-se umas às outras em lugares físicos de suas vilas ou cidades. Agora, também se conectam pela internet. Mas o fundamento da conexão entre as pessoas não mudou. A sociabilidade é a mesma, só que exercida em estruturas diferentes.

O comportamento social é caracterizado pela atuação recíproca dos indivíduos. O que internet e as redes sociais fizeram foi nada mais do que oferecer à sociabilidade humana uma nova estrutura técnica, baseada na rede mundial de computadores. Assim surgiu a sociabilidade virtual, que é a atuação dos indivíduos, uns sobre os outros, no ambiente digital, realizada por meio do fluxo de comunicação e da troca de informação.

A sociabilidade virtual é formada pelo conjunto dos sinais codificados da comunicação humana na mídias sociais na internet. Ela integra a ecologia cognitiva do ser humano, enquanto materialização de processos cerebrais e de construções da criatividade humana.

Nesse sentido, a sociabilidade virtual é um instrumento a serviço dos cérebros que a cultivam. Ao favorecer que indivíduos atuem reciprocamente no meio digital, a sociabilidade virtual configura-se como uma propriedade emergente da estruturação do fluxo de comunicação humano em redes de computador.

O surgimento da sociabilidade virtual marca uma nova etapa da sociabilidade humana, em que sistemas técnicos baseados em redes de computador tornam-se acessíveis à efetização de sistemas sociais.

Para o ser humano, o desenvolvimento de sistemas técnicos voltados para a modelagem de sistemas sociais por si só já pode ser considerado um ganho de complexidade. Trata-se de uma nova etapa evolutiva da sociabilidade humana.

O desenvolvimento de novos sistemas técnicos – os mais recentes na hierarquia dos gêneros de sistemas – amplia o potencial de desenvolvimento dos demais gêneros de sistemas (físicos, químicos, biológicos e sociais). Sistemas técnicos podem servir de suporte a sistemas biológicos. Um exemplo disso são as próteses criadas para suprir necessidades e funções de indivíduos sequelados por amputações. No caso dos sistemas sociais, os sistemas técnicos que formam as redes de computador passam a ser o ambiente de emergência da sociabilidade virtual.

O aumento de complexidade dos sistemas sociais – potencial esse favorecido pelo desenvolvimento de sistemas técnicos que ambientam a sociabilidade em redes digitais – poderá culminar na emergência de uma cibernética da sociabilidade virtual simbiótica, cuja função seria a ampliação da complexidade e metaestabilidade da vida social.

Tal sociabilidade virtual simbiótica poderia ambientar, por exemplo, a emergência de mecanismos de exercício político (instância de poder e decisão sobre os sistemas biológicos, como a saúde e o meio ambiente; sistemas econômicos, como as redes de produção; e sistemas culturais, como a educação e o conhecimento).

A simbiose entre sistemas técnicos e sociais somada à sociabilidade virtual simbiótica apresenta-se como possibilidade efetiva de ganho de complexidade e metaestabilidade para o conjunto da vida social.

Essa perspectiva positiva da sociabilidade virtual exige o reconhecimento de que nada está isolado no universo. Tudo que existe é um sistema ou ao menos o componente de algum sistema ao qual está conectado. Ou seja, nada está – e nem nunca esteve – isolado “no bar”.