Aleteia
Sábado 24 Outubro |
São Maglório
Atualidade

Sudão do Sul: o que acontece por lá e por que o Papa quer visitar o país?

WEAPON

Steve Evans-(CC BY-NC 2.0)

Miriam Diez Bosch - publicado em 03/01/18

A jovem nação africana vive um dos mais graves conflitos do mundo atual

Quase quatro anos de guerra. Milhões de desabrigados. Um dos conflitos mais graves do mundo atual. Desde 2011 o Sudão do Sul é independente do Sudão. No entanto, um ano e meio após a independência instalou-se uma guerra, que ainda causa horror e põe fim em muitas vidas todos os dias.

Mas quais são os motivos da guerra? E as barreiras no caminho para a paz?

A guerra presente: atualmente, há um conflito interno no país, entre o presidente e o vice-presidente, que representam duas etnias diferentes: dinka e nuer. De um lado, está o presidente dinka, Salva Kiir; de outro, o líder rebelde nuer Riek Machar. Há quase quatro anos, o presidente reagiu às críticas de Machar, que o considerou um homem de armas, sem nenhuma cultura democrática. Ele entendeu as diferenças como uma ameaça e o demitiu.

É o que explica o jornalista Xavier Aldekoa em seu livro Hijos del Nilo. A comunidade internacional os obrigou a negociar e os partidos firmaram um acordo de paz em agosto de 2015, que criou um governo de transição em abril 2016. Dois meses depois, entretanto, os signatários do tratado voltaram a se confrontar.  

As guerras passadas: “As pessoas estavam assustadas, pois não há ninguém que tema mais a guerra do que quem há viveu seu horror”, assegura Aldekoa na mencionada publicação, em que narra sua passagem pelo país no verão de 2016. O Sudão do Sul vem de dois conflitos de quase quatro décadas com o Sudão: o primeiro foi entre 1995 e 1972 e o segundo entre 1983 e 2005. Só uma trégua de 11 anos separou as guerras. A independência do Sudão do Sul em 2011 (apoiada pelos Estados Unidos por claros interesses no petróleo do país) levou esperança de paz à região.

Petróleo e pobreza: Antes da independência, o sul produzia 85% do petróleo do país. No entanto, uma das suas principais fontes de riqueza é também uma das principais fontes do conflito que provoca sua profunda pobreza.

Além das diferenças étnicas, a falta de saída para o mar para exportar o petróleo a partir do Sudão do Sul e as dificuldades para acessar o transporte via Sudão foram as causas das guerras passadas e são um pano de fundo da guerra atual. Na verdade, as condições econômicas se deterioraram quando, em janeiro de 2012, o governo sul-sudanês decidiu parar a produção do petróleo por causa de desacordos bilaterais com o Sudão. Atualmente a inflação do país é de cerca de 800%.

Crise humanitária: O conflito entre o governo e a oposição desencadeou uma grande crise humanitária, com mais de dois milhões de sul-sudaneses deixando seus lares e procurando outras regiões do país e quase um milhão de pessoas atravessando as fronteiras e procurando abrigos em países como: Quênia, Uganda, Etiópia e Sudão. Em fevereiro de 2017, o país decretou situação de fome.

Mortalidade materna: É um dos países com as maiores taxas de mortalidade materna por diversas razões: falta de serviços sanitários, infraestrutura deficiente e tradições que fazem com que muitas mulheres comecem a ter filhos muito jovens e com assistência caseira. Assim, é mais difícil superar complicações durante a gravidez e o parto.

Educação: Menos de 1/3 da população é alfabetizada. Na verdade, 85% da população não sabem ler. Motivos: falta de recursos e situações de migrações por causa dos conflitos.

Religião: As principais religiões do Sudão do Sul são o cristianismo e diversas crenças animistas. No Sudão, o islã é a religião predominante. Esta diferença também é uma das causas dos conflitos. No entanto, “nos momentos de guerra, as religiões podem oferecer muitos espaços de encontro e de construção da paz”, explica Paul Vidal, religioso jesuíta que está trabalhando no campo de refugiados de Maban (Sudão do Sul), em entrevista a um programa da TV da Catalunha.

O missionário conta como as pessoas de lá vivem a religiosidade com alegria: “é um elemento de esperança, que articula a vida cotidiana. As Missas acontecem a cada duas horas. São os momentos de encontro, de celebração. Apesar das dificuldades, são a prova de que ainda vivemos com sentido e celebramos a vida”, assegura.

O jesuíta Vidal, além de ser formado em Arquitetura e Teologia, fez mestrado em Teologia das migrações, uma disciplina recente, que tenta investigar a experiência de Deus que se revela naqueles que vivem como refugiados. “Trata-se de conhecer Jesus naquele que bate à porta”, destaca na entrevista.

Para ele, “o momento é complexo e com pouca esperança. Estamos na noite escura, acompanhando o povo em um momento difícil”, afirma, referindo-se tanto aos refugiados quanto aos habitantes da região. A ação jesuíta no loca se baseia na educação, pastoral e no trabalho social. “Se não prepararmos engenheiros, professores ou médicos agora, embora estejamos em conflito, o futuro nunca chegará”, destaca.

As pessoas no Sudão do Sul, de acordo com Vidal, “precisam viver sua vida com sentido e poder imaginar um amanhã diferente. Isso não é fácil num campo de refugiados. Mas, apesar de tudo, esse desejo está muito presente. A vida pede mais espaço diante das experiências muito traumáticas; na visão cristã, trata-se da ressurreição, que tem mais importância do que a morte”, afirma o jesuíta.

O Papa Francisco teve que desistir de viajar para o Sudão do Sul em 2017 por causa da guerra civil. Diante de uma delegação de bispos sudaneses, Francisco tinha manifestado o desejo de ir pessoalmente ao  país africano para aplicar o “ecumenismo da caridade” no contexto da grave crise humanitária que enfrenta a nação mais jovem do continente. Ainda não há programação oficial do Vaticano sobre a possível viagem do Papa ao Sudão do Sul.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
GuerraPapa FranciscoPobreza
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Papa Pedro João Paulo II Bento XVI Francisco
Reportagem local
Pedro, João Paulo, Bento e Francisco: 4 Papas...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia