Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Aleteia

Por que falhar é essencial para a saúde mental do seu filho

Child in Field
Compartilhar
Comentar

Mesmo uma criança pequena sabe que não há glória em ganhar quando perder não é uma opção

 

Houve um aumento alarmante em casos de doenças mentais, especialmente depressão e ansiedade, nos últimos 50 anos, e não apenas entre adultos, mas também entre crianças. O mundo está lutando para explicar isso. Isso é apenas porque estamos mais conscientes da depressão do que fazíamos há cinco décadas? Isso é por causa da tecnologia? Isso é por causa dos pais?

De acordo com Peter Gray, professor de pesquisa no Boston College, o problema é mais universal: “As mudanças parecem ter muito mais a ver com a forma como os jovens veem o mundo do que com a forma como o mundo realmente é”. Isso tem a ver com nossas atitudes em mudança em relação ao nosso próprio poder para mudar nossas vidas.

De acordo com uma meta-análise que reuniu informações de quase 25.000 estudantes entre 1960 e 2002, “Os jovens americanos acreditam cada vez mais que suas vidas são controladas por forças externas, em vez de seus próprios esforços… As implicações são quase uniformemente negativas, uma vez que [esta atitude] está correlacionada com a fraca conquista escolar, desamparo, gerenciamento ineficaz do estresse, diminuição do autocontrole e depressão”. Os dados, ele diz, indicam que “a crença dos jovens de terem o controle de seus próprios destinos diminuiu acentuadamente ao longo das décadas”.

Esta informação realmente é válida para mim, porque não há nada que eu queira mais para meus filhos do que eles aprenderem que eles não estão desamparados. Que eles tenham o poder de efetuar mudanças reais em suas próprias vidas e no mundo. Eu quero que eles tenham um senso saudável de autoestima que os encoraje quando se deparam com os desafios da vida, por mais assustadores que sejam. Essencialmente, eu quero que eles tenham um forte senso de autoeficácia.

Mas a autoeficácia, “a crença de uma pessoa em sua própria capacidade de sucesso em uma situação particular” é exatamente o que estamos perdendo. Quando acreditamos que não temos o poder de provocar mudanças, a nossa autoestima vai embora. Afinal, se você vê os desafios mais pessoais como intransponíveis, você não terá uma opinião muito alta de si mesmo.

É o que todos queremos para nossos filhos. Quando os animamos, quando os lembramos repetidamente, “Você pode fazê-lo!”, estamos tentando incutir essa atitude. Mas toda positividade e louvor no mundo não dará aos nossos filhos um senso de autoeficácia. Tem que vir de dentro deles. Só porque eles sabem que você acha que eles podem fazer isso não significa que eles estão convencidos disso.

Em última análise, isso significa que temos que deixar nossos filhos falharem. Devemos dar oportunidades para eles falharem. Eu não estou dizendo apenas deixá-los soltos no mundo sem orientação ou supervisão, é claro – mas experimentar falhas dá-lhes um presente inestimável. Mesmo uma criança pequena sabe que não há glória em ganhar quando perder não é uma opção. É através do fracasso, tanto quanto o sucesso, que aprendemos que temos algum controle sobre nossas vidas.

É nosso instinto, como pais, querer proteger nossos filhos do fracasso a qualquer custo. Mas, na prática, isso significa que muitas vezes estamos no caminho de seu sucesso. Se eu não deixar, digamos, meu filho de 10 anos escalar aquela árvore, por medo de que ele caia, eu posso protegê-lo de alguns choques e contusões. Mas eu também posso negar-lhe a oportunidade de enfrentar um desafio e experimentar da maneira mais pessoal que ele está preparado para a tarefa.

O risco é um conceito assustador para os pais. Nossas preocupações são muitas vezes legítimas, e os riscos sempre devem ser pesados, mas muitas vezes ficamos tão envolvidos em pensar o que pode acontecer se a criança falhar que esquecemos o que será obtido se a criança for bem-sucedida.

Para que as crianças aprendam autoeficácia, elas precisam encontrar situações em que o sucesso não é garantido. É por isso que não é apenas saudável, mas absolutamente essencial, que permitamos que nossos filhos assumam riscos (adequados à idade). Então, quando eles falharem, entenderão que o fracasso não foi apenas um destino aleatório – que pode ser aprendido e evitado. E ainda melhor, quando conseguem, eles sabem que não foi apenas a sorte, foi por sua própria capacidade de enfrentar um desafio. A falha será menos devastadora, e o sucesso será mais poderoso, e eles estarão melhor equipados para enfrentar sua vida a partir de um lugar de confiança.