Aleteia
Terça-feira 27 Outubro |
São Fulco
Estilo de vida

Janeiro, um mês de dois olhares

WOMAN WALKING

Morakot Kawinchan - Shutterstock

Vanderlei de Lima - publicado em 08/01/18

Uma séria revisão de vida com sua escala de valores é fundamental

Já estamos, prezado(a) leitor(a), com a graça de Deus, vivendo o primeiro mês de um novo ano. Esta vivência é importante, pois nos dá a rica oportunidade de sermos, no presente (2018), um elo vivo entre o passado (2017) e o futuro (2019).

Ora, tudo isso nos leva a importantes reflexões. Elas começam pelo próprio nome do mês em que estamos, janeiro. Ele vem do Latim Ianuarius que se prende ao termo Ianua, porta. É, portanto o mês da entrada, do início, do recomeço.

Por que é assim? – poderá perguntar alguém mais atento. Porque, respondemos, Ianua (porta) vem de Ianus, o deus de todo começo da mitologia latina sempre apresentado nas moedas romanas com duas faces: uma olha para trás, contemplando o passado, e a outra para frente, tentando projetar o futuro.

Pois bem, tudo isso quer dizer o seguinte: já os antigos romanos tinham consciência de que, em determinados períodos da vida, é preciso parar e fazer um balanço de nossa caminhada. Balanço que, naturalmente, significa avaliação, ou seja, ver o que foi bom para continuar a melhorar ainda mais e observar, atentamente, o que foi ruim a fim de não repeti-lo nesta nova etapa da caminhada.

Contudo, para fazer uma avaliação equilibrada do passado e um planejamento seguro do futuro é preciso ter presente em nossa mente a meta (termo grego que lembra algo além) ou o objetivo a ser, sadiamente, perseguido, pois sem rumo seguro somos como navios desorientados sujeitos a naufragar no mar tempestuoso da existência terrena.

É certo que ao falarmos de avaliação ou de balanço da vida não são poucos os que pensam nas possibilidades de conseguirem mais bens materiais (carro, casa, dinheiro etc.) no ano novo. São bens legítimos, sem dúvida, por isso pedimos, na oração do Pai-Nosso, que o Senhor nos dê o “pão nosso de cada dia” (cf. Mt 6,11), pão que significa não só o alimento do corpo, mas também tantos outros meios materiais necessários para vivermos dignamente. Todavia, só isso não basta.

É preciso desejar, de um modo especial, bens que não passam tais como a fé, a honra, a dignidade etc., pois, como ensina Blaise Pascal, filósofo francês do século XVII, o ser humano foi feito para superar infinitamente a si mesmo. Ora, é certo que só conseguiremos esse objetivo se nos desprendermos das amarras materiais que nos escravizam.

Sim, o apego a qualquer coisa é uma escravidão. Não importa se essa coisa é um patrimônio de bilhões de dólares ou se é um pequeno livro de estimação. Se deixarmos que esse trampolim passageiro seja “nosso senhor”, seremos “seus escravos” e continuaremos, sempre, na mesquinharia do presente com o grande risco de perder a herança futura reservada por Deus a cada um de nós (cf. 1 Tm 2,4).

Disso tudo decorre que uma séria revisão de vida com sua escala de valores é fundamental, uma vez que o Senhor Jesus bem nos alerta: “Onde está o teu tesouro aí estará também teu coração” (Mt 6,21). Como remédio salutar para a mesquinharia e a pequenez de alma temos o generoso desprendimento recomendado pelo Apóstolo São Paulo ao escrever: “Sabei que quem semeia pouco, também colherá pouco, e quem semeia com largueza também com largueza colherá; Deus ama quem oferta com alegria” (2Cor 9,6-7).

Certamente, se eu e você, prezado(a) leitor(a), agirmos assim teremos um ganho não só quantitativo (2016, 2017, 2018…), mas também, e sobretudo, qualitativo, pois o passar cronológico dos anos deve nos estimular ao progresso espiritual a fim de que deixemos de ser crianças e nos tornemos adultos em Cristo (cf. Ef 5,13).

Esse amadurecimento não deixa de nos instigar a sermos grandes promotores da paz, cujo dia mundial, celebramos no início do ano novo.

Tal data quer significar que só com o crescimento interior é possível ter a verdadeira paz definida como a tranquilidade da ordem: primeiro, interior e, depois, exterior, ou seja, o mundo não mudará sem a conversão do nosso coração.

Vanderlei de Lima é eremita na Diocese de Amparo.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
EspiritualidadeValores
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Pe. Zezinho
Francisco Vêneto
Duas emissoras brasileiras deturpam fatos em ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia