Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Em foco

Eucaristia, um êxodo do pecado rumo à vida nova

AGNUS DEI,LAMB

Public Domain

Anthony Sciglitano - publicado em 11/01/18

A Eucaristia não é um show para ser apenas observado

Quando seguramos a Eucaristia, seguramos uma granada: pino puxado.

As origens do Novo Testamento do sacrifício eucarístico estão na sala superior da Última Ceia, a refeição final de Jesus, por assim dizer, com seus íntimos antes de sua crucificação.

A Última Ceia começa formalmente as narrativas da paixão de Marcos, Mateus e Lucas. A esta altura, Jesus sabe que será traído e que as autoridades virão atrás dele. A atmosfera está tensa. Os apóstolos, recordem, não querem ouvir um messias sofredor, mas apenas um majestoso de quem eles certamente se beneficiarão.

Durante a Última Ceia, no entanto, Jesus antecipa sua paixão (Lc 22,15): seu sangue será derramado (Lc 22,20), seu corpo quebrado (Lc 22,19) para estabelecer uma nova promessa prometida anteriormente por Jeremias (Jr 31,31-33). O cenário teológico de uma refeição da Páscoa se estende mais para lembrar a libertação e o êxodo de Israel da escravidão egípcia para a terra prometida. No presente, Jesus agradece o cálice e o pão de acordo com a prática judaica na Páscoa, uma lembrança que inscreve os judeus contemporâneos na história em andamento da Aliança com Deus. O contexto desta oração de ação de graças, no entanto, é perturbador: Jesus agora associa cálice e pão com a morte que vem e ainda dá graças. Não há nada no texto que sugira ironia aqui, ainda que dar graças em antecipação à sua paixão não seja uma coisa pequena. Isso não é tudo.

A Última Ceia lembra o êxodo de Israel, o alimento sustentado de Deus (maná) no deserto e a promessa de Jeremias de uma nova aliança escrita nos corações, e antecipa sua paixão e morte, mas também aponta para outra refeição futura, o banquete celestial: “Porque eu lhes digo: De hoje em diante eu não beberei do fruto da videira, até que venha o Reino de Deus”, (Lc 22,18; cf. Lc 22,16). Essa dupla referência ao Reino reúne a preocupação central da pregação de Jesus para a Eucaristia. Para recordar: o reino de Deus abençoa os pobres e os perseguidos por causa da justiça, cura os doentes, restaura os desprezados e os que estão fora da comunidade vivificante para a plena comunhão, estende a misericórdia, perdão e consolo. Os pobres recebem um lugar no banquete e, de acordo com Tiago (2,1-9), um lugar de honra. Essa visão do Reino, especialmente à luz de Mateus 25,31-46, onde o julgamento sobre as nações ocorre com base em quem fez e quem não ajudou a Cristo, presente nos rostos dos necessitados, sugere uma crítica profética da cultura atual. A Eucaristia fica na garganta porque tem farpas.

Talvez neste ponto a presença real ganhe mais aderência e maior densidade. Como é claro a partir da Missa, onde tudo é desenhado para a comunhão, o sacrifício eucarístico não é algo diferente da presença real do Cristo, é na obra da salvação, desde a criação até a aliança, a Cruz e a Ressurreição. Em vez disso, o sacrifício eucarístico – como a oferta total de Cristo ao Pai por nós – continua sua missão no Espírito para o seu Corpo. Ele não para de dar a si mesmo – de ser Amor – no século I. Ao invés disso, ele não dá nada além de si mesmo e dá tudo de si mesmo.

A Eucaristia, é claro, não é um show para se observar. A Eucaristia é contínua com a autoentrega do amor de Cristo para o mundo nos eventos de salvação e especialmente a Encarnação e a Cruz. Agora devemos procurar assumir o nosso papel em tudo isto – pois também oferecemos dons ao altar e assumimos o nosso papel como sacerdócio real (1Pd 2,1-10; L.G . 10). De fato, a ação de Cristo e o dom de seu Espírito possibilitam nossa participação em sua missão do Pai, e assim nossa oferta. A Eucaristia, portanto, é um êxodo, do pecado a uma vida nova, de uma existência fechada em autonomia autossegura ao serviço para o mundo, especialmente para aqueles que encontram bênção especial em seu reino.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
EucaristiaJesusLiturgiaMissa
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia