Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma 
Aleteia logo
home iconPara Ela
line break icon

Como a mais famosa enfermeira da história mudou os rumos de sua profissão

NIGHTINGALE

Internet Archive book images - Public domain

Adriana Bello - publicado em 12/01/18

Ela não era apenas talentosa em matemática e ciência, mas tinha infinita generosidade e preocupação com os outros

Florence Nightingale nasceu em 12 de maio de 1820, em Florença – daí o nome dela –, e mudou-se para a Inglaterra pouco depois. Os Nightingales eram das classes mais altas, então eles deram a seus filhos uma educação nobre e os levavam aos eventos sociais mais importantes, mas Florence gostava mesmo era de matemática e ciência.

Em uma ocasião, seus pais levaram ela e sua irmã em uma viagem pela Europa, que era muito comum entre as jovens mulheres da época como parte de sua formação cultural. Mas, para Florence, a viagem foi algo mais: foi onde ela descobriu sua verdadeira vocação na vida. Em sua passagem por diferentes países, ela anotou em seu diário pessoal estatísticas sobre a população e o número de hospitais. E foi então que ela percebeu que queria dedicar sua vida à enfermagem.

Claro, seus pais se opuseram. Uma jovem como ela deveria se casar com um bom pretendente e não trabalhar (muito menos como enfermeira).

Florence rejeitou várias propostas de casamento e não descansou até que finalmente conseguiu ir a uma escola de enfermagem na Alemanha por volta de 1850. Depois, ela voltou para Londres e começou a trabalhar em um hospital na Rua Harley, onde foi rapidamente promovida a superintendente.

A Guerra da Crimeia

Quando a Guerra da Crimeia estourou em 1853, o número de baixas no Exército britânico aumentava a cada mês. O secretário de guerra, Sidney Herbert, decidiu chamar Nightingale, a quem ele conhecia há algum tempo, e a quem ele confiou para cuidar de seus soldados. Foi a primeira vez que uma mulher foi encarregada de algo assim, e Florence reuniu mais de 30 enfermeiras de diferentes ordens religiosas para ir a Scutari, na Turquia.

Ao chegar, as enfermeiras conheceram uma cena ainda mais horrível do que imaginavam. Tudo estava muito sujo: o chão estava coberto de fezes e a água estava contaminada, porque estavam em um grande esgoto, e havia ratos e insetos por todo o lado. As condições não só não ajudavam as tropas a se recuperar, mas pioravam. De fato, houve mais mortes por doenças infecciosas do que por fementos de guerra.

A primeira coisa que Florence fez foi limpar profundamente o local e melhorar a ventilação. Então ela instalou uma lavanderia para garantir lençóis limpos, uma cozinha para satisfazer requisitos especiais de comida e até uma biblioteca para entretenimento.

Ela também gostava de fazer rondas à noite com uma lamparina (algo que nenhuma enfermeira já fez em seu tempo) para garantir que seus pacientes ficassem tão confortáveis ​​e bem atendidos quanto possível. Os soldados apreciaram seu senso de caridade e sua forma respeitosa e compassiva de tratá-los, então alguns começaram a chamá-la de “a dama da lâmpada” e outros “o anjo da Crimeia”. O resultado foi notável: houve muito menos mortes.

NIGHTINGALE
Internet Archive book images - Public domain

A foto de Florence com sua lâmpada apareceu em vários jornais britânicos e a fez muito popular. Então, quando a guerra terminou e ela voltou para a Inglaterra, foi recebida como uma heroína. Mas ela não queria fama, na medida em que ela usou um pseudônimo para evitar ser reconhecida. Ela até usou o dinheiro que a rainha Vitoria deu por seu serviço para construir um hospital e uma escola de enfermagem.

Poemas, músicas e textos foram escritos sobre ela, levando muitas mulheres (de todos os níveis sociais) a querer ser como ela. As enfermarias tornaram-se uma vocação socialmente respeitável e os hospitais tornaram-se lugares limpos e espaçosos onde pessoas doentes poderiam se recuperar com dignidade.

Infelizmente, na Turquia, ela pegou “febre da Crimeia” e nunca se recuperou completamente. Ela teve que permanecer na cama desde a idade de 38 anos até sua morte, mas isso não a impediu de continuar seu trabalho humanitário por várias décadas.

Durante a guerra, como quando era criança, ela tomou notas que se tornaram úteis para estudos de epidemiologia. Ela escreveu vários livros para pessoas de baixa renda que não tinham acesso a remédios, indicando-lhes remédios caseiros. E ela recebeu visitas de políticos e figuras públicas, a quem ela aconselhou em questões de saúde pública e funcionalidade hospitalar durante os tempos de guerra.

Aos 87 anos, Florence se tornou a primeira mulher a receber a Ordem do Mérito do Reino Unido. Três anos depois, ela morreu em sua casa em Londres. Seu funeral foi íntimo e simples, assim como ela havia pedido.

Sem dúvida, seu conhecimento científico foi crucial para alcançar tudo o que ela fazia, mas era seu espírito de generosidade e sua preocupação com os necessitados que a inspiraram a usá-lo. Agora, em seu aniversário, 12 de maio, é o Dia Internacional das Enfermeiras, para recordar a mulher que ajudou um número incontável de pessoas, colocando seu coração naquela nobre profissão.

Tags:
CiênciaMulherTrabalho
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
4
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
5
Reportagem local
A bela lição que este menino deu a todos ao se aproximar do Papa
6
São José
Francisco Vêneto
Padre irmão de piloto de avião partido em dois: “São José tem mui...
7
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia