Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 28 Julho |
São Botvido
home iconAtualidade
line break icon

Mianmar e Bangladesh terão dois anos para repatriar refugiados rohingyas

ROHINGYA

Shutterstock-Sk Hasan Ali

Agências de Notícias - publicado em 16/01/18 - atualizado em 16/01/18

Para a ONU, essa minoria muçulmana foi vítima de uma "limpeza étnica"

Mianmar e Bangladesh chegaram a um acordo nesta terça-feira (16), dando-se um prazo de dois anos para solucionar o retorno dos mais de 650 mil rohingyas que abandonaram o território birmanês desde o final de agosto para fugir da repressão do Exército.

O acordo foi firmado em Naypyidaw, a capital birmanesa, e trata “do documento que os refugiados terão de preencher”, indicou o Ministério das Relações Exteriores de Bangladesh.

Segundo a nota do Ministério, o acordo aponta que o processo “se completará, preferencialmente, em dois anos desde o início da repatriação”.

Até a data, nenhum dos dois países havia estipulado um calendário.

Para a ONU, essa minoria muçulmana foi vítima de uma “limpeza étnica”.

Pressionada pela comunidade internacional, Mianmar prometeu repatriar os refugiados, se conseguirem provar que já residiam em território birmanês.

Segundo o comunicado do Ministério das Relações Exteriores de Bangladesh, foram construídos cinco acampamentos no estado de Rakain, no oeste de Mianmar, onde vivia a maioria dos rohingyas.

Bangladesh pressiona o governo de Aung San Suu Kyi para que lance o processo de retorno dessa comunidade. O país acolhe quase um milhão de rohingyas em sua fronteira sudeste, onde está o que é considerado hoje em dia o maior acampamento de refugiados do mundo.

“Nos próximos dias, os refugiados poderão começar a ser registrados. O processo poderá começar”, explicou à AFP o embaixador de Bangladesh em Mianmar, Mohamad Sufiur Rahman, embora tenha descartado que os primeiros retornos aconteçam já no final de janeiro, como se havia anunciado.

“É impossível”, afirmou.

Várias instituições beneficentes questionam se, traumatizados pelos abusos que dizem ter vivido, os rohingyas vão querer voltar para Mianmar.

(AFP)

Tags:
Refugiados
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
3
Ítalo Ferreira
Reportagem local
Ouro no surfe em Tóquio, Ítalo Ferreira reza todos os dias às 3h ...
4
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
5
CONFESSION, PRIEST, WOMAN
Julio De la Vega Hazas
Por que não posso me confessar diretamente com Deus?
6
JENNIFER CHRISTIE
Jeff Christie
Minha mulher engravidou de um estuprador – e eu acolhi o bebê nas...
7
Anna Gębalska-Berekets
O que falar (e o que não falar) a um ente querido com câncer
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia