Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Ditador da Venezuela acusa bispos católicos de “crimes de ódio”

LOPEZ CASTILLO
Monseñor Antonio López Castillo, Arzobispo de Barquisimeto
Compartilhar

Enquanto isso, assim como ocorreu contra Pio XII, supostos católicos acusam Francisco de omissão, covardia e até, pasmem, cumplicidade

Enquanto opositores do regime ditatorial chavista são sistematicamente assassinados na Venezuela, o ditador do país em frangalhos, Nicolás Maduro, ordenou nesta semana uma investigação sobre o que chamou de “crimes de ódio”, cometidos, segundo ele, pelos bispos católicos que criticam o seu “governo”.

Durante uma transmissão de rádio em rede nacional, Maduro aludiu a declarações de dois bispos: dom Antonio López Castillo (foto), que, numa recente homilia, arrancou veementes aplausos dos fiéis ao pedir que a Venezuela seja salva da corrupção; e dom Victor Hugo Basabe, que rezou publicamente para que a Venezuela se livre da “praga corrupta” que leva “milhares de venezuelanos a fuçarem no lixo à procura de lavagem para matar a fome”.

Nicolás Maduro acusou os bispos católicos de “gerar confrontos entre venezuelanos, violência, morte, exclusão e perseguição” – como se ele próprio, por acaso, estivesse fomentando concórdia, paz, vida, diálogo e respeito.

No mesmo dia de mais essa declaração estapafúrdia e mentirosa, autoridades venezuelanas divulgaram ter matado Óscar Pérez, policial opositor acusado de terrorismo. Ensanguentado, Pérez publicou vídeos em redes sociais, instantes antes de ser morto, afirmando que o seu grupo estava sob ataque do regime chavista.

“Não estamos atirando e eles continuam nos atacando”, disse Pérez. “Estamos tentando negociar porque há pessoas inocentes aqui, há civis… Eles literalmente querem nos matar”.

E mataram.

O regime que não dialoga e que tenta esmagar a oposição de todas as formas aponta o dedo também contra os bispos que apenas afirmaram o óbvio.

Episcopado venezuelano e representantes do Vaticano na Venezuela têm procurado mediar o profundo conflito que sangra o país há anos, numa sinuca semelhante à que teve de ser enfrentada pela Santa Sé em relação ao nazismo alemão.

O dilema, naquele e neste contexto, é basicamente o mesmo: como equilibrar conteúdo firme e forma conciliadora para, ao mesmo tempo, opor-se a um regime opressor e evitar que o regime se torne ainda mais brutal contra os oprimidos?

O mesmo dilema ocorre em quaisquer países opressores em que o risco do confronto aberto derramaria mais sangue inocente, como a China, Cuba, Vietnã e todos os países africanos e asiáticos que sofrem grande influência do fanatismo islâmico.

A opção da Igreja costuma ser a ação mediadora nos bastidores, juntamente com declarações pontuais mais fortes, mas sem provocar ruptura total. Essa fórmula tem sido considerada a menos passível de provocar piora drástica na já dramática situação.

Tanto Pio XII quanto Francisco, porém, pagam o preço de ser acusados de omissos, covardes ou até cúmplices – inclusive, como se não bastassem os ataques de fora, por parte de supostos católicos mais propensos a crucificar o Papa do que a propor estratégias responsáveis, sensatas e realistas.

Adendo: seria muito interessante que os críticos conhecessem a história de Carl Gustaf Emil Mannerheim, líder da Finlândia durante a Segunda Guerra Mundial. Ele tinha o desafio quase impossível de manter a Finlândia livre, ao mesmo tempo, do domínio da Alemanha nazista, por um lado, e da invasão da União Soviética, por outro. Ele precisou jogar um delicado jogo de equilíbrio visando o bem do seu povo – a mesma coisa que tinha de ser feita pelo Papa Pio XII e com o mesmo objetivo.

No entanto, apesar de terem se baseado na mesma e sensata lógica, Mannerheim é até hoje um herói na Finlândia, enquanto Pio XII ainda é bombardeado pelos que, tergiversando a realidade, o acusam de ter sido o “Papa de Hitler“. E isso que Pio XII salvou muito mais judeus do que Mannerheim e, obviamente, muitíssimo mais do que aqueles que lhe apontam o dedo…

Para saber mais sobre estes dois líderes e entender melhor a complexidade da sua situação, leia este artigo:

“Presidente de Hitler” não, mas “Papa de Hitler” sim?

 

Aleteia Top 10
  1. Lidos