Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 02 Agosto |
home iconEstilo de vida
line break icon

Mídias não substituíram as brincadeiras infantis, afirma estudo

KIDS

Alohahawaii - Shutterstock

Agências de Notícias - publicado em 21/01/18

Computador, tablet, celular, vídeo game, televisão. Com presença cada vez maior no cotidiano das crianças nos últimos tempos, as tecnologias disputam espaço com as tradicionais brincadeiras e geram preocupação nos pais quanto à interferência no desenvolvimento dos filhos. Mas quem pensa que o mundo eletrônico dominou de vez as horas de recreação da garotada está enganado. As antigas formas de lazer, como pique-pega, carrinho, pipa, queimada, pular corda e brincar de bonecas ainda são bastante valorizadas por esse público.

É o que aponta estudo inédito no Centro-Oeste, realizado pelo Imagem – Grupo de Pesquisa sobre Corpo e Educação da Faculdade de Educação Física (FEF) da UnB. Os pesquisadores pediram às crianças das escolas públicas do Distrito Federal que desenhassem suas brincadeiras favoritas. A população do estudo tinha idade entre seis e 12 anos.

Das 145 crianças participantes, mais de 40% estamparam no papel os brinquedos tradicionais; 30,4% apontaram o interesse por atividades esportivas; e somente 11,4% mostraram preferência pelas mídias. “As mídias têm modificado a infância, interferindo na produção cultural infantil, além de aparecer como forma de lazer de meninos e meninas. Contudo, ao lado desse interesse, notamos que eles ainda gostam de jogar futebol, brincar de correr e pular corda”, comenta a professora Ingrid Wiggers, coordenadora do estudo e líder do grupo.

As crianças pesquisadas eram oriundas de seis escolas das seguintes localidades: Asa Sul, Asa Norte, Ceilândia, Riacho Fundo II, Arniqueiras e São Sebastião. Para conhecer um pouco mais desse universo lúdico, os pesquisadores também solicitaram a elas que descrevessem as brincadeiras. “O desenho é uma linguagem infantil, é uma forma muito própria de as crianças se comunicarem e colocarem seus sentimentos”, explica Ingrid.

(Com UnB Ciência)

Tags:
EducaçãoFilhos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
2
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
3
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
4
David Arias
Reportagem local
Ex-satanista mexicano retorna à Igreja e testemunha: “O ter...
5
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
6
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
7
Claudio de Castro
Como salvar nossas almas nos últimos minutos antes da morte
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia