Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Aleteia

O que é um sacristão?

SACRISTAN
Compartilhar

O sacristão exerce um serviço precioso à Igreja, ainda que de forma tantas vezes oculta e humilde

Na vida paroquial, o sacristão exerce uma missão de apoio e serviço aparentemente simples, mas de grande relevância para os sacerdotes e para os fiéis.

A Instrução Geral do Missal Romano explica que o sacristão também exerce uma função na liturgia mediante a organização cuidadosa dos livros litúrgicos, das vestes e de outros objetos e tarefas necessárias à celebração da Santa Missa (cf. número 105).

Na Igreja medieval, essa função era exercida muitas vezes pelo porteiro, que vivia próximo da paróquia. Durante muitos séculos, especialmente nas comunidades monásticas, o sacristão foi quase sempre um sacerdote mais jovem ou um religioso que já tivesse recebido as ordens menores. No entanto, à medida que a Igreja se expandia pelo mundo, ia havendo cada vez mais sacerdotes missionários, ou seja, sem comunidades monásticas ou sacerdotais com as quais contar no dia-a-dia. Desta forma, boa parte das tarefas ligadas à preparação da liturgia foram sendo confiadas a freiras e a pessoas leigas. Também é comum, hoje, que membros das paróquias se organizem para ajudar os sacerdotes nessas funções.

É um serviço essencial à vida paroquial, já que, enquanto o sacristão se encarrega dos aspectos práticos da liturgia, os sacerdotes podem se concentrar nos aspectos ministeriais: visitar e atender espiritualmente os paroquianos, ministrar sacramentos, ungir os doentes, preparar homilias…

O sacristão exerce um serviço precioso à Igreja, ainda que de forma tantas vezes oculta e humilde, e, por isso, merece a nossa gratidão e reconhecimento. Oremos por eles!