Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Programa Big Brother é acusado, pelo próprio público, de incentivar incesto

BBB lixo
CC
Compartilhar

Até onde desce a ladeira?

Ele é criticado como um dos mais fúteis programas televisivos de todos os tempos, e ainda assim, incoerentemente, é listado ano após ano como um dos campeões de audiência da TV Globo, emissora na qual perdura há incríveis 18 anos.

Não há edição do “Big Brother Brasil” sem alguma polêmica relacionada à sexualidade. Na edição atual, porém, a primeira grande polêmica sexual parece ter chocado boa parte do público para além dos “limites costumeiramente tolerados”.

Usuários de redes sociais se incomodaram com a postura dos participantes Ayrton e Ana Clara, que são pai e filha.

Em uma festa, eles se deram um demorado “selinho”, que despertou questionamentos pelo exagero da duração. O público também manifestou “desconforto” diante da frequência e da intensidade do contato físico entre pai e filha – que não são os únicos parentes a participarem do programa: também estão presentes Eva, que é mulher de Ayrton e mãe de Ana Clara, e Jorge, que é sobrinho do casal. Os quatro são chamados, no programa, de “Família Lima”.

Toques e beijos à parte, foi outra cena, ainda mais ousada, a que causou a maior indignação entre os internautas que acompanham o programa: em imagens que viralizaram nas redes sociais, Ayrton aparece deitado em cima da filha enquanto realiza movimentos com o quadril, apontados pelos telespectadores como próprios do ato sexual.

O episódio, tecnicamente, pode não configurar incesto, mas foi esta a impressão que a maior parte dos comentários críticos destacou a respeito da cena, filmada e transmitida nacionalmente pela maior emissora brasileira. Aliás, mesmo que não tivesse ido ao ar na televisão, a imagem de um pai que “se esfrega” na própria filha deitada já seria suficiente para causar compreensível rechaço em grande parcela das pessoas.

Por um lado, a reação indignada de tanta gente é um sinal positivo: pelo menos alguma capacidade de discernimento ainda resta no grande público, bombardeado diariamente por “músicas”, filmes, telenovelas e condutas sexualizantes que são vendidas como “naturais” por “artistas” e “intelectuais”.

Por outro lado, é sempre inquietante constatar que há pessoas que justificam ou alegam não haver “nada de mais” num pai que se esfrega sobre a própria filha deitada.

Até a Globo, surpreendentemente, resolveu chamar os envolvidos para lhes manifestar que a sua postura não estava sendo bem vista. Mas a emissora não parece ter tomado qualquer outra medida concreta além de “perguntar” aos Lima o que achavam do próprio comportamento. Depois que a família explicou que isso para eles é “natural”, o apresentador do programa considerou que a atração está apenas mostrando um pouco de diversidade… E ficou tudo por isso mesmo.

No Twitter, a hashtag “ForaFamíliaLima” chegou a ser uma das mais comentadas nesta semana. Além de acusarem a família de incestuosa, internautas que usaram essa tag também comentaram que a mãe, Eva, é sempre excluída das carícias em família.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.