Aleteia
Quarta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma
Atualidade

Coalizão da Arábia Saudita pede cessar-fogo no Iêmen

pixabay

Agências de Notícias - publicado em 30/01/18

A coalizão liderada pela Arábia Saudita que intervém militarmente no Iêmen desde 2015 pediu nesta terça-feira o cessar-fogo imediato na cidade de Áden (sul), onde se enfrentam há três dias as tropas governamentais e as forças separatistas do sul.

O palácio presidencial da segunda cidade do país se encontra cercado pelos rebeldes huthis.

A situação é extremamente tensa depois de confrontos que deixaram ao menos 36 mortos.

As forças governamentais se mostraram dispostas a recuar em Áden ante o pedido do cessar-fogo da coalizão árabe.

O ministério do Interior iemenita, citado pela agência governamental Saba, disse ter instruído todas suas unidades a cessar as hostilidades de forma imediata, esperando que os rebeldes respondam de forma positiva a isso.

Em seu comunicado, a coalizão afirmou, além disso, que tomará todas as medidas necessárias para restabelecer a segurança em Áden, onde o governo se refugiou quando os rebeldes huthis o expulsou da capital em 2014.

Até agora, os principais integrantes da coalizão – Emirados Árabes e Arábia Saudita – não interviram militarmente em Áden para por fim aos combates.

Na noite de segunda, o presidente iemenita Abd Rabo Mansur Hadi, refugiado em Riad, presidiu uma reunião com seus assessores e dirigentes políticos, que repudiaram “o golpe dos separatistas e as ações separatistas em Áden”, segundo a Saba.

– 36 mortos –

Os combates com tanques e artilharia, que explodiram no domingo entre separatistas do sul, partidários da independência, e o governo do presidente Hadi, agregam nova dimensão a um conflito iniciado há três anos neste país pobre da Península Arábica.

“Os enfrentamentos deixaram 36 mortos e 185 feridos em dois dias”, informou na noite de segunda-feira o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) no Twitter. Um balanço anterior de fontes de segurança reportou 24 mortos, entre civis e combatentes.

O Iêmen do Sul era um Estado independente antes de sua fusão com o Norte em 1990, e o movimento separatista permaneceu muito poderoso.

A crise iniciada no domingo em Áden deu uma nova dimensão a um conflito extremamente complexo que se arrasta há três anos.

Os separatistas eram aliados do governo, mas a situação tornou-se tensa em abril de 2017, quando Hadi demitiu o governador de Áden, Aidarus al-Zubaidi, que formou no mês seguinte um Conselho Transitório do Sul, uma autoridade paralela dominada por separatistas.

Este Conselho lançou um ultimato na semana passada a Hadi exigindo a saída do primeiro-ministro Ahmed ben Dagher e “mudanças no governo”, acusado de “corrupção”.

O ultimato expirou na manhã de domingo e os combates eclodiram imediatamente. A sede do governo e outras instalações foram tomadas pelos separatistas, de acordo com fontes militares.

Na noite desta segunda, os combates se intensificaram, segundo fontes de segurança. As forças separatistas estavam a apenas 1 km do palácio presidencial e teriam tomado o controle de dois campos militares ao norte do aeroporto.

O mediador da ONU no Iêmen, Ismail Ould Sheikh Ahmed, também pediu “um retorno à calma e ao diálogo”, acrescentando que a ONU está “sempre disposta a ajudar a resolver disputas”.

O emissário, que deve deixar o cargo em fevereiro, não conseguiu promover um cessar-fogo ou solução duradoura para o conflito.

Fontes da segurança disseram à AFP que os separatistas estavam convocando reforços para Áden das províncias de Abyan (sul) e Marib (centro).

Segundo fontes militares, os separatistas capturaram 210 soldados, mas libertaram em seguida 70 após mediações tribais. As forças de Hadi capturaram 30 separatistas.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
SAINT JOSEPH SLEEPS
Philip Kosloski
Durma em paz com esta breve oração a São José
Pe. Gilmar
Reportagem local
Padre é encontrado após três dias desaparecid...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia