Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
María Álvarez de las Asturias
Como ajudar um casal que se separou?
Padre Reginaldo Manzotti
Oração para pedir luz ao Senhor
Padre Reginaldo Manzotti
5 lições de vida para ser feliz
Prosa e Poesia
Os recomeços
Vatican News / Redação da Aleteia
Papa aos juízes: não buscar interesse pessoal

A esposa deformada e o marido cego, 17 anos depois

Compartilhar

Uma história que arrepia e faz pensar no que realmente importa

Um casal vivia o sacramento do matrimônio com muito amor e alegria. Vinte anos de casados! Um dia, porém, aconteceu um incêndio violento na casa. Os vizinhos chamaram os bombeiros, mas a mulher e o marido acabaram indo parar no hospital.

Dias depois, os médicos disseram ao marido:

– Nós conseguimos salvar a sua esposa, mas ela está irreconhecível: da cintura pra cima é um engruvinhado de pele, a boca deformada, perdeu um pedaço do nariz, da orelha. Vai ser difícil ajudarmos sua mulher a retomar a vida.

Ele disse, com a voz baixa:

– Eu também sofri muito com esse fogo. Afinal, estou cego.

Foram para a casa nova, que conseguiram graças à ajuda dos parentes e amigos. E não saíam de casa. Ela ficou totalmente deformada. Viveram juntos mais dezessete anos e, então, a esposa veio a falecer.

No velório, qual não foi a surpresa dos parentes e amigos!

O marido estava sem os óculos e sem a bengala: na realidade, ele nunca tinha ficado cego.

Ele apenas sabia que a esposa que ele tanto amava não iria jamais conseguir se sentir à vontade se soubesse que ele estava enxergando a sua deformidade.

Amar, às vezes, exige este sacrifício: fazer-se de “cego” diante de coisas pouco relevantes, para que o outro consiga sentir um pouco mais da luz do sol.

________

A partir de mensagem sem autoria definida, compartilhada em redes sociais

 

Aleteia Top 10
  1. Lidos