Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Aleteia

Você teria coragem de desejar esta “maldição” a um casal que você adora e que acabou de se unir?

Compartilhar
Comentar

“Que Deus os abençoe e lhes traga muitas...”

Imagine que dois jovens tenham acabado de prometer amor e fidelidade um ao outro diante de Deus, de seus familiares e amigos queridos. Há lágrimas de emoções e chuva de arroz.

Há também bons desejos de saúde, felicidade, filhos e bênçãos. De repente, como um relâmpago cruzando o céu, os recém-casados ouvem: “Desejo-lhes muitas crises”.

Mas por que alguém que nos ama e se preocupa conosco pronunciaria essas palavras neste dia tão importante para nós? É estranho alguém querer que os outros tenham muitas crises. Porém, na realidade, é algo desejável para os recém-casados.

Por quê? Porque essa pessoa diz a verdade sobre o que aguarda os recém-casados no futuro. E pode ajudá-los a antecipar algumas situações. “Estar prevenido é estar preparado”.

Vale dizer que isso não é algo exclusivo para o casamento. Um dia, perguntaram ao um empresário o que significava o sucesso para ele. “Estar constantemente preparado para uma crise” foi a resposta.

Minha experiência mostrou que, se alguém não aplica esta verdade espiritual para o resto da vida, não terá sucesso. Talvez você pense: “como nosso casamento poderá fracassar, se somos tão felizes e estamos tão apaixonados?”. No entanto, o fato é que devemos estar preparados para as dificuldades, pois elas são inevitáveis.

Se os casais que estão até mesmo nas relações mais bonitas não se conscientizarem de suas fraquezas e vulnerabilidades, essas relações podem ir por água abaixo na primeira experiência ruim, dificuldade ou crise que todos enfrentam na vida cotidiana.

7 anos de vacas gordas, 7 de vacas magras

É famoso o relato bíblico em que José prepara o Egito para sete anos de fome. Ele interpreta dois sonhos enviados por Deus ao Faraó, profetizando sete anos de abundantes colheitas seguidos de sete anos de fome.

José, sabiamente, aconselha que todos armazenem comida durante os primeiros sete anos, a fim de se manterem durante os sete anos de fome. Assim, o povo do Egito foi salvo.

O casamento é muito parecido. Para se preparar para os anos austeros na relação os casais devem acumular “provisões”. Devem encher os celeiros de fidelidade, amor, compreensão, sacrifício e perdão – elementos que podem faltar quando o campo da sua vida diária deixar de dar frutos por causa do desânimo, cansaço físico, das mudanças de interesses e hábitos e da falta de crescimento pessoal.

Superar as crises pode ser difícil, mas, se estivermos preparados para enfrentá-las e as enxergarmos como oportunidades para crescermos em amor mútuo, elas podem fortalecer nosso casamento.

O importante é encarar a crise como algo natural da vida. Quando ela terminar, devemos focar no sucesso por termos superado em casal. Não devemos centrar as atenções na negatividade e nas dificuldades vividas.

Desejar aos recém-casados (e a todos os casais) muitas crises ou, melhor, muitas vitórias sobre as crises, é uma mensagem de esperança para que eles se preparem para estas duras etapas: as crises vão e voltam, mas quando o casal se ama de verdade constrói cimentos sólidos e sua relação não será derrubada.

Assim, o casamento vai se perpetuar e se tornar mais forte. Quer melhor conselho para os recém-casados?

 

 

Este artigo foi publicado originalmente na edição polaca de Aleteia e traduzido e adaptado para os leitores da edição em língua portuguesa.