Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

País muçulmano restringe São Valentim (dia dos namorados) por ser “festa cristã”

Paquistão restringe São Valentim
CC
Compartilhar

Esse país tem arbitrárias e abusivas "leis antiblasfêmia" que são frequentemente manipuladas para perseguir cristãos, condenando-os sem provas

Neste dia 7 de fevereiro, a agência paquistanesa que regula a mídia no país proibiu qualquer transmissão que faça referência à festa de São Valentim, equivalente ao Dia dos Namorados na maioria dos países (o Brasil é uma exceção: o dia dos namorados é celebrado em 12 de junho por ser a véspera de Santo Antônio, que, na cultura luso-brasileira, é considerado o “santo casamenteiro”).

A festa de São Valentim é celebrada em 14 de fevereiro. Segundo a tradição popular, ele teria sido um bispo que, apesar das proibições impostas pelo imperador romano, continuou celebrando casamentos clandestinamente. Recusando-se a renunciar à fé cristã, Valentim teria sido martirizado em um dia 14 de fevereiro. Não há, porém, comprovações históricas desse relato, o que levou a Igreja a retirar essa festa do calendário litúrgico em 1969, mantendo-a apenas como memória facultativa.

O Paquistão, que é um país majoritariamente muçulmano, está combatendo esta celebração do dia dos namorados precisamente por causa das suas origens cristãs.

O Tribunal Supremo do Paquistão confirmou uma ordem restritiva emitida há um ano, baseada na alegação de que as celebrações de São Valentim são “contrárias à doutrina islâmica”.

A sentença despertou os protestos da Pakistan Minorities Teachers Association (PMTA – Associação de Professores das Minorias), que observou:

“Proibir qualquer referência ao Dia de São Valentim em lugares públicos e na mídia é uma violação do artigo 28 da Constituição do Paquistão e limita os direitos humanos fundamentais”.

Em declarações à agência vaticana Fides, o presidente da PMTA, Anjum James Paul, declarou:

“A situação está piorando e o Paquistão está perdendo o pluralismo e a diversidade. O espaço social para as minorias religiosas está sendo cada vez mais reduzido. As minorias religiosas paquistanesas temem ser obrigadas a viver de acordo com o artigo 31 da Constituição do Paquistão, que menciona o estilo de vida islâmico. Esta é a razão pela qual o número das minorias religiosas diminuiu no país: em 1947 eram 23% e agora são menos de 5%”.

Perseguição religiosa no Paquistão

Paul faz um alerta: a restrição à celebração de São Valentim também poderia estender-se a outras celebrações próprias da fé cristã, configurando aberta perseguição religiosa.

O Paquistão é tristemente célebre no mundo por suas abusivas leis “antiblasfêmia”, que são frequentemente manipuladas de modo a dirigir acusações falsas contra inimigos políticos e a promover prisões e até condenações à morte sem provas conclusivas. É o caso da mãe de família católica Asia Bibi, que está no corredor da morte por ter supostamente “blasfemado contra o islã“. Ela foi condenada sem provas reconhecidas pela comunidade internacional. Saiba mais sobre o seu caso, aberrante e indignante, acessando o seguinte artigo:

A católica que vive há 3.000 dias no inferno à espera do enforcamento

Asia Bibi © YouTube
Asia Bibi