Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Aleteia

País muçulmano restringe São Valentim (dia dos namorados) por ser “festa cristã”

Paquistão restringe São Valentim
CC
Compartilhar
Comentar

Esse país tem arbitrárias e abusivas "leis antiblasfêmia" que são frequentemente manipuladas para perseguir cristãos, condenando-os sem provas

Neste dia 7 de fevereiro, a agência paquistanesa que regula a mídia no país proibiu qualquer transmissão que faça referência à festa de São Valentim, equivalente ao Dia dos Namorados na maioria dos países (o Brasil é uma exceção: o dia dos namorados é celebrado em 12 de junho por ser a véspera de Santo Antônio, que, na cultura luso-brasileira, é considerado o “santo casamenteiro”).

A festa de São Valentim é celebrada em 14 de fevereiro. Segundo a tradição popular, ele teria sido um bispo que, apesar das proibições impostas pelo imperador romano, continuou celebrando casamentos clandestinamente. Recusando-se a renunciar à fé cristã, Valentim teria sido martirizado em um dia 14 de fevereiro. Não há, porém, comprovações históricas desse relato, o que levou a Igreja a retirar essa festa do calendário litúrgico em 1969, mantendo-a apenas como memória facultativa.

O Paquistão, que é um país majoritariamente muçulmano, está combatendo esta celebração do dia dos namorados precisamente por causa das suas origens cristãs.

O Tribunal Supremo do Paquistão confirmou uma ordem restritiva emitida há um ano, baseada na alegação de que as celebrações de São Valentim são “contrárias à doutrina islâmica”.

A sentença despertou os protestos da Pakistan Minorities Teachers Association (PMTA – Associação de Professores das Minorias), que observou:

“Proibir qualquer referência ao Dia de São Valentim em lugares públicos e na mídia é uma violação do artigo 28 da Constituição do Paquistão e limita os direitos humanos fundamentais”.

Em declarações à agência vaticana Fides, o presidente da PMTA, Anjum James Paul, declarou:

“A situação está piorando e o Paquistão está perdendo o pluralismo e a diversidade. O espaço social para as minorias religiosas está sendo cada vez mais reduzido. As minorias religiosas paquistanesas temem ser obrigadas a viver de acordo com o artigo 31 da Constituição do Paquistão, que menciona o estilo de vida islâmico. Esta é a razão pela qual o número das minorias religiosas diminuiu no país: em 1947 eram 23% e agora são menos de 5%”.

Perseguição religiosa no Paquistão

Paul faz um alerta: a restrição à celebração de São Valentim também poderia estender-se a outras celebrações próprias da fé cristã, configurando aberta perseguição religiosa.

O Paquistão é tristemente célebre no mundo por suas abusivas leis “antiblasfêmia”, que são frequentemente manipuladas de modo a dirigir acusações falsas contra inimigos políticos e a promover prisões e até condenações à morte sem provas conclusivas. É o caso da mãe de família católica Asia Bibi, que está no corredor da morte por ter supostamente “blasfemado contra o islã“. Ela foi condenada sem provas reconhecidas pela comunidade internacional. Saiba mais sobre o seu caso, aberrante e indignante, acessando o seguinte artigo:

A católica que vive há 3.000 dias no inferno à espera do enforcamento

Asia Bibi © YouTube
Asia Bibi