Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 31 Outubro |
Beato Domingos Collins
home iconAtualidade
line break icon

As ferramentas de propaganda russas usadas nas eleições de 2016 nos EUA

ORLANDO SIERRA / AFP

The American flag is seen through the eye slit of a riot police shield as supporters of the presidential candidate for the Opposition Alliance Against the Dictatorship, Salvador Nasralla, protest against the reelection of President Juan Orlando Hernandez in elections marred by suspicions of fraud, outside the US Embassy in Tegucigalpa on December 21, 2017. Honduras's leftwing opposition on Wednesday urged days of intensified protests to challenge President Juan Orlando Hernandez's claims that he won a new mandate in a November election marred by suspicions of fraud. It called for a demonstration in front of military command headquarters in the capital Tegucigalpa to decry "murders" which it claimed took place during robust crackdowns by security forces. / AFP PHOTO / ORLANDO SIERRA

Agências de Notícias - publicado em 18/02/18

Contas falsas em redes sociais, comentários a favor e contra Donald Trump, manifestantes pagos: uma vasta operação de propaganda foi conduzida da Rússia para promover a vitória do candidato republicano à Casa Branca, em 2016, segundo a Justiça americana.

O procurador especial Robert Mueller, encarregado de investigar um possível conluio entre a equipe de campanha de Trump e a Rússia, acusou 13 cidadãos russos de conspirar para fraudar as eleições nos Estados Unidos.

O auto de acusação detalha uma empreitada de desestabilização através das redes sociais, financiada com milhões de dólares.

– Os instigadores –

A campanha, que teria começado em 2014, era chefiada por uma sociedade sediada em São Petersburgo, denominada “Agência de Investigação na Internet”, financiada por Evgeny Prigojine, um homem próximo do presidente russo, Vladimir Putin.

A agência supostamente realizou “uma guerra de informação contra os Estados Unidos”, mediante o uso de identidades falsas nas redes sociais e em mídias digitais, com o objetivo de criar “instabilidade política com o apoio de grupos radicais, usuários insatisfeitos com a situação econômica e social e dos movimentos da oposição”.

A operação foi realizada desde o início das primárias republicanas e democratas para favorecer Trump e prejudicar Hillary Clinton.

Em setembro de 2016, a agência se beneficiou de um orçamento mensal de mais de 1,2 milhão de dólares por suas operações.

– Contas falsas –

A agência criou várias páginas, inclusive concorrentes de Facebook e Instagram, dedicadas a relações raciais (“Blacktivistes”), imigração (“Fronteiras seguras”) e religião (“Muçulmanos Unidos da América” e “O Exército de Jesus”) com a finalidade de desinformar.

Segundo o informe, também controlou várias contas falsas de Twitter e Facebook favoráveis a Trump. Uma delas, do Partido Republicano no Tennessee, vazou informações falsas sobre uma investigação por fraude eleitoral nas primárias democratas na Carolina do Norte.

A partir de 2016, a agência difundiu amplamente alguns hashtags para influenciar os ‘trending topics’ do Twitter (#Trump2016 o #Hillary4Prison).

Dias antes da votação, a “Blacktivists” finalmente pediu voto para a candidata ambientalista Jill Stein e a “Muçulmanos Unidos da América” ​publicou uma mensagem que dizia que “a maioria dos muçulmanos se negam a votar em Hillary Clinton”.

– Compras publicitárias –

A agência, supostamente, “produziu, comprou e publicou” espaço publicitário na rede, “apoiando expressamente o candidato Trump e se opondo a Clinton”, inclusive mediante a promoção de manifestações ou comícios. Para manter isso, a empresa teria aberto de forma fraudulenta contas bancárias nos Estados Unidos usando documentos de identidade falsos, pagos via PayPal ou com moedas virtuais.

A compra de publicidade política por parte de estrangeiros é proibida nos Estados Unidos.

– Organizando manifestações –

Utilizando identidades falsas e contas falsas nas redes sociais, os operadores da agência contataram grupos de apoio locais a Trump para organizar manifestações e recrutar ativistas, inclusive na Flórida, um estado-chave, onde o republicano venceu. A agência supostamente pagou a uma dublê de Hillary, vestindo o uniforme usado por presos nos EUA, durante uma manifestação em West Palm Beach. Em seguida, teriam pago a ela uma viagem para participar, com trajes de presidiária, de um ato em Nova York.

Segundo os informes, a agência financiou e fez publicidade de outros comícios depois das eleições, inclusive duas manifestações rivais celebradas no mesmo dia em Nova York e uma marcha contra Trump em Charlotte.

– Contatos com a campanha de Trump –

A acusação não aporta nada que possa sustentar um possível conluio entre a equipe de Trump e a Rússia. Simplesmente se refere a um voluntário da campanha em Nova York “sem saber”, contatado pelos operadores russos e que forneceu gratuitamente material de campanha.

– Eleição arranjada? –

O número dois do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, Rod Rosenstein, assegurou que não havia indícios de que o resultado final das eleições tenha sido influenciado por essa vasta campanha de propaganda.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Brasileira Simone Barreto Silva é vítima de ataque terrorista na catedral de Nice
Reportagem local
Brasileira é vítima no ataque terrorista na c...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Reportagem local
França: atentado na basílica de Notre Dame em...
Pe. Robson de Oliveira
Francisco Vêneto
Defesa desmente Fantástico, da TV Globo, em n...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia