Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O Papa Leão XIII e sua devoção a Maria

YouTube/ Wydawnictwo WAM
Compartilhar

Esta devoção pode ser SUA também, aproveite!

Durante o seu pontificado, o Papa Leão XIII frequentemente deu ao povo de Deus públicas provas de confiança, piedade e devoção para com a Santíssima Virgem Maria.

O Santo Padre, Gioacchino Pecci (1878-1903) sempre nutriu esta devoção, desde os seus mais tenros anos, e depois, durante toda a sua vida, se esforçou para alimentar e aumentar seu amor para com a Mãe de Deus. O Pontífice não somente tinha uma particular devoção para com Nossa Senhora, mas também recomendou com fervor apostólico o amor à Virgem Maria.

Considerando que ele viveu em tempos difíceis para a Igreja e cheios de perigos para a sociedade civil, compreendemos facilmente o quanto era útil recomendar, com máximo calor, esse baluarte de salvação e de paz, que Deus, na sua infinita misericórdia, quis dar à humanidade, na pessoa de sua augustíssima Mãe. Esta, que depois Ele tornou insigne na história da Igreja por uma série ininterrupta de acontecimentos favoráveis.

Leão XIII muito falou e escreveu sobre a Virgem Maria, incentivando sempre a sua devoção. Durante o seu pontificado, ele escreveu 26 cartas somente sobre o Santo Rosário da Virgem Maria. Todos os anos, nos meses de setembro e outubro, o Papa escrevia sobre esta devoção, sendo um dos grandes propagadores do Rosário do século XX.

Os fiéis católicos corresponderam aos seus votos e às suas exortações com múltiplas e solícitas iniciativas, especialmente reavivando a devoção do Rosário, com abundantes missões de esplêndidos frutos.

Segundo o Pontífice, nós não podemos cansar de exaltar a Mãe de Deus, que é verdadeiramente digníssima de todo louvor, nem de manifestar um terno amor para com ela, que também é Mãe dos homens, e que é cheia de misericórdia e cheia de graça. Quanto mais a sua alma, fatigada pelas solicitudes apostólicas, sente aproximar-se a hora da sua partida, tanto mais ardente e confiantemente volveu o seu olhar para aquela que é a aurora bendita da qual surgiu o dia de uma felicidade eterna, de uma alegria sem ocaso1.

No quinquagésimo aniversário da sagração episcopal de Leão XIII, católicos de todo o mundo, juntos como filhos em torno do Pai, fizeram-se presentes numa esplêndida manifestação de fidelidade e de amor. Por isso, com renovada gratidão, o Santo Padre reconheceu e exaltou um desígnio da Divina Providência sumamente benévolo para com ele, e, ao mesmo tempo, muito proveitoso para a sua Igreja.

Nessa ocasião, sentiu-se impelido a saudar e louvar também a augusta Mãe de Deus, que deste benefício foi a poderosa mediadora junto a Deus. A singular bondade da Virgem Maria, que no longo e mutável período da sua vida ele experimentou, de vários modos eficaz, brilhava cada dia mais e manifestava-se diante dos seus olhos, ferindo suavissimamente o seu coração, robustecendo-o com confiança sobrenatural.

O Papa Leão XIII parecia ouvir a própria voz da Rainha do Céu, que ora benevolamente encorajava-o no meio das terríveis adversidades da Igreja, ora ajudava-o, com abundância de inspirações, nas decisões a tomar para o bem comum, ora também advertia-o a estimular o povo cristão à piedade e ao culto da virtude2.

Muitas vezes, foi para ele um grato dever de corresponder a estes desejos da Virgem Maria. Entre estas moções, que com a bênção da Mãe de Deus recebemos em suas exortações, justo é recordar o extraordinário desenvolvimento da devoção do Santo Rosário, pelo seu incremento, pela constituição de confrarias sob este título e pela divulgação de escritos doutos e oportunos, ou ainda pela inspiração dada para a criação de verdadeiras obras-primas artísticas.

O Papa Leão XIII sempre exortava a consagrarmos o mês de Outubro à beatíssima Virgem Maria, o que acarretou em toda parte uma poderosa floração do Rosário entre os católicos. Tendo em vista que os tempos, prenunciadores de desgraças para a Igreja e para a sociedade, exigiam o auxílio poderoso de Deus, o Santo Padre achou seu dever implorá-lo justamente mediante a intercessão de Nossa Senhora, especialmente com a oração do Rosário, cuja salutar eficácia o povo cristão sempre experimentou.

Desde as origens, o Rosário mariano manifestou sua eficácia na defesa da fé e no reavivar das virtudes que haviam sido sufocadas pela corrupção do mundo. Em nossos dias, suas palavras continuam a ecoar como um contínuo apelo à oração:

“Olhando em volta, Veneráveis Irmãos, vós mesmos vedes que ainda permanecem, e em parte agravados, os motivos para convidarmos, ainda este ano, os vossos fiéis a reavivarem o fervor das suas súplicas para com a Rainha do Céu”3.

Recorramos ao Santo Rosário, à sua excelência e utilidade, conforme a recomendou Leão XIII, difundindo sempre mais o conhecimento e a prática desta oração mariana. Nossa Senhora do Rosário, rogai por nós!

Referências:

2 PAPA LEÃO XIII. Carta Encíclica Laetitiae Sanctae, 1.