Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Enviado do Vaticano ouve depoimentos sobre abuso sexual no Chile

CHARLES SCICLUNA
Compartilhar

Vítimas de abuso sexual no interior da Igreja Católica prestavam depoimento nesta terça-feira (20) no Chile diante de um enviado especial do Vaticano que investiga as denúncias de encobrimento que pesam sobre o bispo Juan Barros.

Charles Scicluna, arcebispo de Malta, viajou a Santiago para se reunir com as vítimas que acusam Barros de encobrir os abusos do sacerdote Fernando Karadima e com os leigos que se opõem a sua designação como bispo da cidade de Osorno.

Scicluna é o encarregado de averiguar os crimes que a Igreja considera mais graves, como os abusos sexuais realizados pelo clero a menores de idade.

“Vim ao Chile enviado pelo papa Francisco para recolher informações úteis sobre o monsenhor Juan Barros Madrid, bispo de Osorno”, disse em uma breve declaração à imprensa nos arredores da Nunciatura de Santiago, onde será realizada a maior parte das audiências.

“Quero manifestar meu agradecimento às pessoas que se declararam disponíveis para se encontrarem comigo durante os próximos dias”, acrescentou o arcebispo.

Scicluna recolherá depoimentos durante quatro dias, após os quais entregará suas conclusões diretamente ao papa, que decidirá se abre, ou não, uma investigação canônica contra Barros.

“Isso é um processo de escuta, não é um tribunal, não é um auditório”, esclareceu o porta-voz do Arcebispado, Jaime Coiro, acrescentando que não há um prazo para entregar as conclusões.

Coiro não informou o nome nem a quantidade de pessoas que se reunirão com Scicluna, apelando ao “direito de reserva da identidade”.

Não obstante, a AFP constatou que José Andrés Murillo e James Hamilton, dois dos quatro denunciantes de Karadima, se encontraram com o arcebispo nesta tarde.

Ambos acusam Barros de encobrir os abusos sexuais reiterados cometidos por Karadima na década de 1980 enquanto frequentavam a capela de El Bosque, em um dos setores mais abastados de Santiago.

No sábado, Scicluna recebeu em Nova York o jornalista chileno Juan Carlos Cruz, outra vítima de Karadima. “Pela primeira vez sinto que estão nos ouvindo”, declarou Cruz a meios de comunicação na cidade americana.

(AFP)