Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

EUA pedem fim de violência na Síria; França alerta para cataclisma humanitário

YPG FLAGS
SAFIN HAMED I AFP
Compartilhar

Estados Unidos e França manifestaram preocupação com a escalada da violência na Síria e com a degradação crescente da situação no país nesta terça-feira (20), quando o número de civis mortos em bombardeios do regime no reduto rebelde de Guta oriental chegou a 250 desde domingo.

Em Washington, a porta-voz do Departamento de Estado americano, Heather Nauert, disse a jornalistas que os Estados Unidos estão “profundamente preocupados” com a intensificação dos ataques russos e sírios no enclave.

“A cessação da violência precisa começar agora”, declarou Nauert, criticando o que ela chamou de “táticas de sítio e inanição” do regime do presidente sírio, Bashar al-Assad.

Em Paris, o chefe da diplomacia francesa, Jean-Yves le Drian, alertou que “a situação na Síria se degrada consideravelmente” e “se não houver nenhum elemento novo, nós caminhamos rumo a um cataclisma humanitário”.

“Há uma urgência absoluta sobre este tema (…) Esta é a razão pela qual, a pedido do presidente da República [Emmanuel Macron], seguirei nos próximos dias para Moscou e Teerã”, apoiadores do regime do presidente sírio, acrescentou Le Drian, em discurso no Parlamento.

“Na minha opinião, o pior está por vir”, prosseguiu o ministro francês das Relações Exteriores. “Isto de deve ao fato de que o processo político está bloqueado (…) Todos os elementos estão reunidos para um agravamento da situação”.

As forças do regime e seus aliados russos lançam desde 5 de fevereiro uma vigorosa ofensiva contra a região da Guta Oriental, enclave controlado pelos rebeldes no subúrbio de Damasco. Os bombardeios incessantes, aéreos e de artilharia, deixaram pelo menos 250 mortos civis desde o domingo, segundo um balanço da ONG Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

Importantes forças leais ao presidente sírio foram reunidas nas imediações de Guta para o que parece ser o prelúdio de uma ofensiva terrestre de grande envergadura.

Várias agências da ONU têm condenado os bombardeios maciços contra Guta.

Os bombardeios de civis “devem cessar imediatamente” exigiu o coordenador da ONU para a ajuda humanitária na Síria, Panos Moumtzis, alertando para as cerca de 400.000 pessoas encurraladas no enclave rebelde, entre as quais foram registrados casos severos de desnutrição.

(AFP)