Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Aleteia

Uma coisa que você nunca deve dizer ao seu cônjuge

MARRIED,COUPLE,LOVE
Shutterstock
Compartilhar

Mesmo que suas intenções sejam as melhores, nunca diga isto

Nos primeiros (e muitos) anos de casamento, eu tinha o hábito de responder perguntas sobre minha preferência com um “tanto faz” ou um “não me importo”.

Mas aquilo era quase sempre uma flagrante mentira, porque eu realmente me importava se íamos pedimos comida chinesa ou pizza, ou se assistiríamos a uma comédia romântica ou a um filme de ação. É claro, minha intenção não era mentir; era ser agradável, dar ao meu marido a liberdade de escolher de acordo com as preferências dele. Era uma maneira desajeitada e equivocada de tentar colocar seus desejos antes dos meus. Porém, isso fez mais mal do que bem.

Chase Sheinbaum listou essa resposta que eu dava em sua lista de 7 frases aparentemente inofensivas que os cônjuges nunca devem dizer um ao outro – principalmente na frente dos filhos.

“Se o seu cônjuge está pedindo sua opinião, dizer ‘eu não me importo’ ou ‘tanto faz’ dá a ideia de que você não está interessado no que ele [ou ela] tem a dizer”, diz Hershenson. Há maneiras mais educadas de explicar que você é indiferente, ou seja, você pode dizer que pedir comida indiana ou tailandesa para o jantar tem pouca consequência para você, pois:

  1. A) ambas são deliciosas;
  2. B) depois de um longo dia, você realmente não se preocupa com esta questão específica.

Essa é uma boa explicação, mas não é suficientemente profunda. Em meu casamento, o problema não era que eu estava comunicando uma falta de interesse; a questão era que eu estava rejeitando a tentativa do meu marido de me agradar.

Eu pensava que, recusar-me a falar sobre minhas preferências era uma maneira de deixá-lo escolher o que ele queria. Mas, pedindo minha preferência em tudo, desde a escolha do filme até a sobremesa sobremesa, meu marido estava tentando me mostrar que queria me agradar mais do que satisfazer os desejos dele.

Nós levamos anos para resolver esses sinais cruzados. Cada momento de tomada de decisão era repleto de tensão e sempre terminava em uma discussão. Quando eu finalmente entendi que a frustração dele com minha aparente indecisão era corroborada por um sentimento de rejeição, fiquei horrorizada. Eu não podia acreditar que eu estava tão focada em minhas próprias intenções, sem considerar as dele.

Então eu parei de falar “tanto faz” e comecei a responder objetivamente às suas perguntas. Eu dizia a ele qual era a minha preferência e depois perguntava se estava tudo bem para ele. Depois de um tempo, ele ficou confortável o suficiente para me dizer quando ele realmente não aguentava mais assistir comédia romântica. Depois de quase uma década de casamento, começamos a aprender a como sermos cúmplices.

Não estou dizendo que foram mil maravilhas depois disso, pois esta é a vida real e, não, não foi fácil.  Mas a forma como nossos sinais passaram a se cruzar em uma simples interação levou a um acúmulo de tensão e ressentimento que não estava sendo desfeito e tinha que ser curado. Tivemos que trabalhar com isso. Poderia ter sido evitado com uma melhor comunicação. Também poderia ter sido evitado se eu nunca tivesse dito “tanto faz” ao meu marido.

A verdade é que não existe “tanto faz” ou “não me importo”; quase sempre nos importamos com algo. Podemos estar totalmente exaustos e apenas querendo fechar nossos olhos, mas se um estranho oferecer uma escolha entre duas opções, você deve fazer a escolha. Você não diria “eu não me importo”, porque seria indelicado.

E também é indelicado dizer ao seu cônjuge que você não se importa, mesmo que suas motivações sejam boas. Quando você diz “eu não me importo”, ele literalmente ouve “eu não me importo”. Se o que você quer dizer é “eu prefiro que você escolha porque ambos são bons para mim” ou “Que tal você escolher porque eu escolhi a última vez?”, diga exatamente isso. Aproveite para dizer o que você quer realmente expressar. Isso poderá ajudá-los a evitar anos de falta de comunicação e frustração.