Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Por favor, ajude-nos a manter este importante serviço. APOIE AGORA
Aleteia

Os monges que só se alimentavam de cerveja na Quaresma

Compartilhar

A receita que eles criaram deu origem a um dos estilos de cerveja mais consumidos no mundo atualmente

Os monges de Paulaner (a “Ordem dos Mínimos”, fundada por São Francisco de Paula no século 15) mudou-se do sul da Itália para o norte da Alemanha em 1634. Eles se estabeleceram no claustro Neubeck Ob Der Au, localizado na Neuhauser Straße, em Munique, o mesmo edifício em que, mais tarde, funcionaria a cervejaria Paulaner.

Em um vídeo publicado no site da cervejaria Paulaner, Martin Zuber, o atual mestre-cervejeiro da companhia, explica que esses monges, por participarem de uma ordem bastante rígida, “não tinham permissão para consumir alimentos sólidos durante a Quaresma”. Por isso, eles fabricaram uma cerveja rica em carboidratos e nutrientes: uma espécie de “pão líquido” que não quebraria o jejum obrigatório da Quaresma. Eles chamaram aquele preparo de “Salvador”.

A receita, mais tarde, deu origem ao estilo de cerveja doppelbock, que se tornou um dos produtos da cervejaria dos monges mais vendidos nas proximidades do claustro.

Hoje, a Paulaner é uma das oito cervejarias que participam da mundialmente famosa Oktoberfest de Munique.

Hoje, a dopplelbock da marca é consumida no mundo inteiro e durante todo ano. A empresa é muito orgulhosa de suas origens penitenciais relacionadas à Quaresma.

Milhões de leitores em todo o mundo – incluindo milhares do Oriente Médio – contam com a Aleteia para se informar, buscar inspiração e conteúdos cristãos. Por favor, considere a possibilidade de ajudar a Edição em Árabe com um pequeno donativo.