Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Padre italiano descobre hóstias milagrosamente preservadas após terremoto

© Pixabay
Hosties
Compartilhar

Mais de um ano depois do terremoto, as hóstias continuam intactas

No dia 30 de outubro de 2016, a região central da Itália foi atingida por um terremoto de 6.6 graus, devastando muitas cidades, inclusive o município de Arquata del Tronto. A igreja daquela paróquia se reduziu a escombros e apenas recentemente o cibório foi recuperado.

E o que se descobriu foi algo “milagroso”.

Segundo o National Catholic Register, “as hóstias recuperadas das ruínas da igreja paroquial de Arquata del Tronto não têm bactérias nem mofo, como costuma ocorrer com as espécies depois de poucas semanas”.

O cibório estava ao lado de um tabernáculo e continha “40 hóstias, cuja cor, forma e aroma não se modificaram”.

O sacerdote local considerou o fato um milagre. Já o bispo local recomendou cautela, admitindo que o fato não precisa de “palavras”.

O descobrimento das hóstias depois de um longo tempo lembra um milagre eucarístico que aconteceu em outra cidade italiana, Siena. Foi em 14 de agosto de 1730, quando ladrões invadiram uma basílica e roubaram o cibório com 351 partículas consagradas. Três dias depois, as 351 hóstias apareceram na caixa de esmolas do santuário de Santa Maria de Provenzano, onde haviam sido jogadas.

Mesmo com o passar dos anos, as hóstias não mostraram sinais de deterioração. Em 14 de abril de 1780, o Superior da Ordem Franciscana, padre Carlo Vipera, consumiu uma das hóstias e percebeu que a partícula estava fresca e incorrupta. Como algumas delas já tinham sido distribuídas em anos anteriores, o superior ordenou que as 230 restantes fossem guardadas. Até hoje elas permanecem na igreja e conservam a frescura do dia em que foram feitas.