Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Por favor, ajude-nos a manter este importante serviço. APOIE AGORA
Aleteia

Jejuar é inspirador!

LENT
Africa Studio - Shutterstock
Compartilhar

Se o jejum é feito só por costume, a experiência termina vazia de conteúdo. Se você sabe para que jejua, a experiência se edifica

Fazer dieta ou desintoxicar-se é bom. Mas jejuar é outra coisa, que conecta você com o que há de mais importante na sua vida. É o que argumenta Letícia Soberón Mainero nesta entrevista para a Aleteia. Letícia é doutora em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, psicóloga e membro da Secretaria de Comunicação da Santa Sé.

Jejuar é inspirador?

Jejuar é inspirador se você tiver Deus e os outros – em particular os mais necessitados – em um lugar central da sua vida. Coisas diferentes são as dietas e os regimes para emagrecer ou desintoxicar, que também são aconselháveis, mas que têm como foco você mesmo.

Do que devemos nos privar?

Muitas culturas e religiões têm praticado o jejum como aperfeiçoamento espiritual ao longo dos séculos. O ser humano sempre soube que, embora comer seja uma necessidade vital, é de pouco que precisamos para sobreviver e muito o que podemos dividir. Come-se menos para voltar-se ao essencial.

Além disso, devemos nos privar de tudo o que nos impede de estarmos próximos a Deus e de dar amor a quem está perto de nós.

Comer menos ou reduzir os prazeres da vida parece que não faz sentido se isso não estiver orientado a dar mais aos outros, a colocar no centro da vida não os nossos desejos, mas o querer de Deus: a paz, a justiça, a harmonia e a alegria.

Por tudo isso, também devemos nos despojar dos hábitos e rotinas, que, sem que a gente percebe, produzem dor a quem nos rodeia. Precisamos saber se estamos provocando ou não a “dor estúpida” em outras pessoas.

Mas o que é a “dor estúpida”? É o sofrimento que não tem sentido, aquele que não vem de algo superior ou de maneira transitória, mas que somente fere e deteriora as pessoas.

Você, como psicóloga, vê na Quaresma um momento psicologicamente fértil para as pessoas?

Quanto mais nos aprofundarmos no sentido e no espírito da Quaresma – preparando nosso coração para celebrar a ressurreição de Cristo – mais fértil pode ser para nós este período.

Focarmos naquilo que é essencial, renovar interiormente nossa crença em Jesus com todas as suas consequências, fazer jejum acompanhado de esmola e oração, tudo isso ajuda a nos sacudir da dispersão e da ansiedade, que, geralmente, marca a vida na era digital.

Se os jejuns são feitos apenas por costume, as boas práticas terminam vazias de conteúdo e se transformam em folclore. Se você sabe por que e para que jejua, ele se edifica.

Por que é positivo fazer outros tipos de jejum, como o que você sugere, que é o de não criticar?

Porque somos seres integrais, não divididos em corpo e em psicologia e relações pessoais. Somos uma unidade.

Tudo o que temos no coração contribui para criar um ambiente alegre, pacífico, neutro ou tenso ao nosso redor. Todas as nossas ações e até pensamentos podem ter um efeito sobre os outros. Um amigo me disse: “não fale nunca a ninguém mal de ninguém”. Procuro seguir esse conselho; as boas palavras e o silêncio podem ser bons “purificadores de ambiente”.

 

Milhões de leitores em todo o mundo – incluindo milhares do Oriente Médio – contam com a Aleteia para se informar, buscar inspiração e conteúdos cristãos. Por favor, considere a possibilidade de ajudar a Edição em Árabe com um pequeno donativo.