Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Por favor, ajude-nos a manter este importante serviço. APOIE AGORA
Aleteia

Linchamento virtual: você já cometeu esse pecado?

SOCIAL MEDIA
Compartilhar

Um dos maiores pecados dos católicos na atualidade. Será o seu caso?

Alguns cristãos se considerem espiritualmente muito superiores àquela turba citada no Evangelho, sedenta pelo linchamento da mulher adúltera. Porém, quantos de nós que vivemos a dizer “não julgueis” não pensamos duas vezes antes de entrar na última onda de linchamento moral de algum “pecador” nas redes sociais?

Não me refiro àqueles casos em que temos o dever moral de denunciar e rechaçar com força algum comportamento seriamente danoso – como crimes sexuais, corrupção, fraude, abuso de poder etc. Ou das graves ofensas à religião, como blasfêmias, sacrilégios e heresias. Não! Falo dos “anônimos” que são massacrados por terem cometido atos idiotas de pouca relevância, como publicar uma piada de mau gosto nas redes sociais.

Acontece sempre assim: uma pessoa comum, cuja opinião tem pouco alcance (não é uma figura pública, um artista, um líder religioso ou político, nem mesmo uma celebridade qualquer) posta alguma piada ou foto imbecil. Ela merece ser criticada por isso? Talvez, mas somente pelas pessoas com quem normalmente interage, ou seja, seus poucos seguidores. Essa é a limitadíssima rede de influência de um anônimo. Mas aí vem um espírito de porco – um paladino da moral opinativa, um justiceiro da web – e joga o cocô virtual no ventilador. E dezenas de milhares de pessoas em fúria se juntam para destroçar a figura do infeliz Zé Ninguém, que de ilustre desconhecido passa, repentinamente, a figura odiada pela massa, alvo das piores pragas e xingamentos.

E o que a criatura fez para merecer ser esculhambada por uma multidão de internautas? Matou? Roubou? Estuprou? Maltratou crianças, idosos ou animais? Deu spoiler de Game of Thrones?

spoiler

Explodiu a fábrica da Nutella?

nutella

Não… postou uma piada imbecil, que a princípio só a mãe dele, duas tias, seis amigos e um primo iriam visualizar. Um caso emblemático, de alcance internacional, aconteceu em 2013, com o linchamento moral da executiva americana Justine Sacco (sobre isso, veja aqui a entrevista de Jon Ronson, autor do livro “Humilhado”). Pouco antes de embarcar para a África do Sul, ela postou essa desgraça de tweet: “Estou indo para a África. Espero não pegar AIDS. Brincadeirinha! Sou branca”.

justine_sacco

A repercussão no Twitter foi tão intensa que, em apenas algumas horas, a vida de Justine virou de cabeça para baixo. Quando ela pisou os pés no aeroporto da Cidade do Cabo, já havia perdido o emprego. Um trem desgovernado chamado “patrulha do politicamente correto” havia passado por cima de sua reputação. Justine pediu desculpas pouco tempo depois, mas ainda assim continuou a ser hostilizada. Passou a ter frequentes ataques de pânico.

Jesus Cristo, o Deus Encarnado, disse que todos os pecados serão perdoados (menos o pecado contra o Espírito Santo), mas os patrulheiros da Internet decretaram que postar chacotas cretinas é um crime sem perdão! Piadistas boçais, tremei! Vocês serão odiados no mesmo nível dos piores bandidos.

ira

Aqui no Brasil, a mais recente onda de linchamento virtual envolveu um jovem médico de Serra Negra-SP. Ele postou uma foto sua debochando de um paciente que falou “peleumonia” (pneumonia) e “raôxis” (raio-x). Atitude babaca? Com certeza! Além da falta de noção ao expor dessa forma a marca da instituição onde presta serviço.

peleumonia

Quanto ao post que gerou tantas reações acaloradas, o fato é que o médico NÃO CITOU NOMES nem identificou ninguém. Ainda assim, como o paciente veio a público se dizer ofendido, o médico foi pessoalmente à casa dele e pediu desculpas. O paciente o perdoou, e disse: “Ele é uma pessoa boa, que teve um momento errado”. Porém, muita gente ainda continua bombardeando Guilherme com comentários hostis.

Avalie: o mal causado pelo post desse médico foi proporcional à ira que ele está atraindo? Sua postagem estúpida nos permite dizer que ele é um “lixo humano” (esse foi um dos comentários que vi sobre ele)? Ter a reputação arrasada é uma punição justa nesse caso? Se damos ao erro alheio uma dimensão maior do que ele realmente tem, nossos pecados serão avaliados com o mesmo peso e rigor, no Dia do Juízo. Porque “com a mesma medida com que medirdes, sereis medidos vós também” (Lc 6,38).

Amar o próximo como a ti mesmo. Nós, cristãos, precisamos nos ajudar a viver esse mandamento. Gente… Não faz sentido desembainhar a espada para ferir mosquitos! Misericórdia, perdão, temperança! Imitemos o doce Cristo, sem frouxidão, sem jujubice, sem deixar de fazer – quando nos cabe – a devida correção fraterna.

(via Catequista)

Milhões de leitores em todo o mundo – incluindo milhares do Oriente Médio – contam com a Aleteia para se informar, buscar inspiração e conteúdos cristãos. Por favor, considere a possibilidade de ajudar a Edição em Árabe com um pequeno donativo.