Aleteia
Quarta-feira 28 Outubro |
São Sálvio
Estilo de vida

Eu acho que estou tendo ataques de pânico. O que devo fazer?

PANIC

Fizkes - Shutterstock

Javier Fiz Pérez - publicado em 02/03/18

É uma experiência assustadora, mas você pode aprender a gerenciá-la

Um ataque de pânico acontece quando alguém tem um episódio durante o qual sofre – de repente, temporariamente e como um evento isolado – medo ou desconforto intenso, sem o motivo sempre sendo claro para eles ou para aqueles que os rodeiam; isso pode acontecer a qualquer momento, sem aviso prévio. Os ataques de pânico geralmente não duram muito (eles tendem a atingir a intensidade do pico dentro de 10 minutos), mas são tão intensos que, para a pessoa afetada, eles parecem durar para sempre.

Muitas vezes, as pessoas que sofrem de um ataque sentem que estão em perigo iminente de morte e experimentam uma necessidade urgente de escapar da sua localização ou situação atual. Se elas não podem fugir fisicamente do contexto em que estão enfrentando esse medo extremo, seus sintomas de pânico se tornam ainda mais agudos e, em tais ocasiões, o episódio pode durar mais de uma hora.

Sintomas

Os ataques de pânico são caracterizados por sintomas físicos muito intensos típicos de situações de estresse agudo, embora, muitas vezes, nenhuma causa proporcional seja aparente.

A quinta edição do Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders of the American Psychiatric Association (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais da Associação Americana de Psiquiatria – DSM-5), em coordenação com o National Institute of Mental Health (NIMH, sigla em inglês para Instituto Nacional de Saúde Mental), enumera vários sintomas para diagnosticar esse tipo de crise:

  • Palpitações, coração acelerado, taquicardia
  • Transpiração
  • Musculatura tremendo
  • Falta de ar, sensações de sufocação
  • Sensações sufocantes
  • Dor no peito ou desconforto
  • Náuseas, angústia abdominal
  • Tonturas, vertigem, instabilidade, sensação fraca
  • Desrealização (uma sensação de estar desconectado da realidade), despersonalização (sensação de estar desconectado do próprio corpo ou pensamentos)
  • Medo de perder o controle ou enlouquecer
  • Medo de morrer
  • Adormecimento, sensações de formigamento
  • Calafrios, ondas de calor.

Como lidar com os sintomas

Controlar o pânico requer tempo e paciência para redefinir sua atitude em relação ao medo extremo que você está enfrentando, para que você possa entender e enfrentar o evento que provocou o ataque, ao invés de evitá-lo.

Uma das estratégias que funcionam melhor para ataques de pânico consiste em aplicar 10 regras:

  • Lembre-se que o que você está experimentando é um exagero de reações normais ao estresse.
  • Um ataque de pânico não é perigoso nem prejudicial como parece; é simplesmente desagradável. Nada pior pode acontecer.
  • Não se entregue a pensamentos alarmistas adicionais sobre o que está acontecendo ou o que poderia acontecer.
  • Preste atenção no que seu corpo realmente está experimentando naquele momento, e não aos seus medos sobre o que poderia acontecer mais tarde.
  • Espere e deixe passar o medo. Não lute contra ele; aceite isso.
  • Quando você parar de ter pensamentos alarmantes, seu medo se dissipará por conta própria.
  • Lembre-se que o principal é aprender a enfrentar o medo, não evitá-lo. Aproveite a oportunidade para avançar.
  • Pense no progresso que você fez, apesar das dificuldades, até esse momento. Pense sobre a satisfação que lhe dará superar esse episódio.
  • Quando você começar a se sentir melhor, olhe em volta e faça planos para o que você fará quando o ataque passar.
  • Quando você se sentir pronto para continuar sua atividade habitual, faça isso lentamente e calmamente. Você não precisa se apressar ou fazer um grande esforço.

Por fim, como sempre, quando lidamos com problemas de saúde mental, é altamente recomendável procurar a assistência de um profissional de saúde mental e contar com o apoio de sua família e amigos confiáveis. Nunca é uma boa ideia tentar enfrentar esses desafios sozinho(a).

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
DepressãoMedo
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Pe. Zezinho
Francisco Vêneto
Duas emissoras brasileiras deturpam fatos em ...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia