Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A Quaresma medieval era muito mais pesada do que você imagina

Compartilhar

E você achando difícil ficar sem chocolate nestes 40 dias?

Ao longo da história, a austeridade da Quaresma foi variando. Alguns dos pais da Igreja (São Leão e São Jerônimo, por exemplo), já no século V, afirmavam que o jejum de 40 dias tinha sido estabelecido pelos apóstolos.

No entanto, os acadêmicos modernos dizem que há provas históricas que indicam que a prática do jejum antes da Páscoa foi se desenvolvendo gradativamente e que a duração da penitência era, na verdade, variável. Em sua História eclesiástica, Eusébio cita uma carta que, no século II, São Irineu enviou ao Papa Vitor, questionando sobre qual o momento em que deveria ser celebrada a Páscoa (ou não) e o jejum preliminar.

Também é interessante lembrar que nenhum dos padres pré-nicenos fala em jejum quaresmal obrigatório. Não se encontram menções à Quaresma nem nos escritos de São Dionísio da Alexandria, nem na Didascalia, por exemplo.

Mas o termo ‘tessarakoste’ [o mesmo que “quadragésimo”] já é encontrado no século IV. Evidentemente, foi desenvolvido em analogia ao já existente ‘pentekoste’ (grego para “50 dias”, de onde deriva o termo Pentecostes). Portanto, o termo tessarakoste já se referia a um período de 40 dias, não de 50, seguindo o exemplo de Moisés, Elias e o do próprio Cristo. Talvez também tenha sido o caso daqueles que realizavam essa prática, tendo em mente as 40 horas que Jesus passou no sepulcro.

De qualquer forma, a Quaresma medieval não durava 40 dias, mas 46, já que incluía 40 dias mais seis domingos. Tanto a Quarta-feira de Cinzas como a Sexta-feira da Paixão, segundo algumas fontes, eram dias de “Jejum Negro”, ou seja, não era permitido nenhum tipo de comida (exceto para os mais velhos e os enfermos), durante os 40 dias, era proibido comer qualquer tipo de carne. Ovos e a maioria dos lácteos também não eram permitidos.

Em resumo: a maioria dos europeus da Idade Média passava a Quaresma comendo só pão, verduras, sal, cerveja e vinho (que não eram proibidos, já que eram considerados mais saudáveis que a água).  Alguns faziam abstinência de carne até as três horas da tarde.

Embora tenham sido introduzidos alguns atenuantes no jejum quaresmal (podiam comer pequenas porções de alimento e líquido para que as pessoas não ficassem tão fracas e pudessem desempenhar o trabalho braçal, por exemplo), era tudo muito mais difícil do que só se abster de chocolate, né?