Aleteia
Quarta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma
Atualidade

"Justiça" britânica decide mais um assassinato: o bebê Alfie deve ser morto

Alfie Evans e o pai Thomas

Alfie's Army Official

Reportagem local - publicado em 08/03/18

Pais desolados: “O Alfie não está pronto e nós não estamos prontos para deixá-lo morrer”

A Corte de Apelação da Inglaterra negou nesta semana o recurso apresentado pelos pais de Alfie Evans, o bebê de 21 meses cujo suporte vital agora deverá ser desconectado pelo hospital infantil Alder Hey, de Liverpool. Foi o próprio hospital que solicitou a ordem judicial para deixar o menino morrer.

Os três juízes da corte de apelação reafirmaram, por unanimidade, a decisão da Corte Suprema, que, em 20 de fevereiro, tinha considerado “cruel, injusto e desumano” permitir que o bebê em “estado semi-vegetativo” continuasse vivendo com um respirador artificial.

Uma das juízas, Justice King, observou que, segundo uma ressonância magnética feita em novembro de 2017, cerca de 70% da matéria do cérebro de Alfie já havia sido destruída.

No entanto, o hospital nunca conseguiu fazer um diagnóstico exato do que Alfie tem: o que foi informado é que ele sofre de uma “possível desordem metabólica”. Ainda assim, o hospital pediu à justiça britânica que retirasse a custódia do menino dos próprios pais, Thomas e Kate Evans, a fim de poder desconectá-lo do respirador artificial. Médicos da instituição disseram que a “qualidade de vida” de Alfie não é “tolerável” e que é “inútil” proporcionar tratamento a ele.

Por outro lado, o hospital italiano Bambino Gesù, ligado ao Vaticano, se ofereceu formalmente para receber o menino, diagnosticá-lo e procurar uma possível cura. A instituição chegou a enviar médicos a Londres para examinarem o bebê. A situação de Alfie tem pouquíssimas possibilidades de reversão e os próprios médicos do Bambino Gesù alertaram claramente para os altos riscos envolvidos na viagem do bebê para a Itália – mas os pais querem continuar tentando ao menos encontrar um diagnóstico preciso e, talvez, por mais remota que seja, alguma chance de tratamento para o filho.

Esta é, em realidade, a questão mais preocupante envolvida no caso: por que o Estado teria alguma prerrogativa de impedir que os pais de um bebê doente tentassem um tratamento, por mais remotas que fossem as possibilidades de êxito? Com que base um Estado teria o direito de se intrometer a esse ponto numa decisão de família que visa o bem de uma criança?

A luta de Thomas e Kate chamou a atenção do mundo inteiro e dezenas de milhares de pessoas têm-lhes dado apoio, formando nas redes sociais o “Exército de Alfie”.

O advogado da família declarou recentemente:

“Eles estão lutando para ter mais alguns meses e continuar procurando opções. É uma posição que milhões de pais em todo o mundo adotariam. Ele morrerá lutando, mas morrerá como um herói. Milhões de pessoas considerarão essa morte nobre e heroica”.

O pai, Thomas, afirmou o mesmo:

“Se o Alfie morrer na viagem, ele vai morrer como um herói. Vai morrer como um soldado. Ele merece viver, merece ser levado a outro lugar e ter alguma opção. Eu sempre tenho esperança”.

No entanto, nada disso comoveu a “justiça” britânica. Assim como no caso igualmente trágico do pequeno Charlie Gard, os “fazedores de justiça” determinaram que Alfie não é digno de continuar tentando. Alfie, para eles, deve morrer logo.

Os pais estão desolados. Em uma declaração de partir o coração, o pai do menino disse à rede BBC:

“O Alfie não está pronto e nós não estamos prontos para deixá-lo morrer”.

É fundamental reiterar: não é apenas a questão médica o que está em jogo nesses casos. O mais grave é que estamos diante de (mais) uma decisão totalitária do Estado, que atropela a decisão de uma família a respeito da vida do próprio filho, impedindo-a de sequer tentar. Este é o gravíssimo contexto abordado e explicado no seguinte artigo, escrito a propósito do caso Charlie Gard e válido para quaisquer casos semelhantes. É uma leitura imprescindível para se esclarecerem os conceitos que de fato estão sobre a mesa:

Caso do bebê Charlie: as duas questões que precisam ser esclarecidas

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
AbortoAlfie EvansBebêsEutanásiaJustiça
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
SAINT JOSEPH SLEEPS
Philip Kosloski
Durma em paz com esta breve oração a São José
Pe. Gilmar
Reportagem local
Padre é encontrado após três dias desaparecid...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia