Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Tem carta de Papa (e santo) para vocês, mulheres!

São João Paulo II carta às mulheres
CC
Compartilhar

"A cada uma de vocês eu dirijo esta carta, sob o sinal da solidariedade e da gratidão": São João Paulo II e sua preciosa Carta às Mulheres

A cada uma de vocês eu dirijo esta carta, sob o sinal da solidariedade e da gratidão“: assim começa a famosa Carta do Papa São João Paulo II às Mulheres, de 29 de junho de 1995, Solenidade de São Pedro e São Paulo.

A carta foi escrita por ocasião da IV Conferência Mundial sobre a Mulher, realizada em Pequim em setembro daquele mesmo ano, e é uma mostra da visão e da proposta cristã a respeito da mulher no meio de um mundo desnorteado e confuso, com ideias das mais dispersas sobre quem é o ser humano, seja mulher, seja homem.

Apresentamos aqui somente um extrato muito significativo dos primeiros parágrafos, focados simples e singelamente em agradecer!

O ponto de partida deste diálogo ideal não pode ser senão um obrigado (…).

Obrigado ao Senhor pelo seu desígnio sobre a vocação e a missão da mulher no mundo, torna-se também um concreto e directo obrigado às mulheres, a cada mulher, por aquilo que ela representa na vida da humanidade.

Obrigado a ti, mulher-mãe, que te fazes ventre do ser humano na alegria e no sofrimento de uma experiência única, que te torna o sorriso de Deus pela criatura que é dada à luz, que te faz guia dos seus primeiros passos, amparo do seu crescimento, ponto de referência por todo o caminho da vida.

Obrigado a ti, mulher-esposa, que unes irrevogavelmente o teu destino ao de um homem, numa relação de recíproco dom, ao serviço da comunhão e da vida.

Obrigado a ti, mulher-filha e mulher-irmã, que levas ao núcleo familiar, e depois à inteira vida social, as riquezas da tua sensibilidade, da tua intuição, da tua generosidade e da tua constância.

Obrigado a ti, mulher-trabalhadora, empenhada em todos os âmbitos da vida social, económica, cultural, artística, política, pela contribuição indispensável que dás à elaboração de uma cultura capaz de conjugar razão e sentimento, a uma concepção da vida sempre aberta ao sentido do « mistério », à edificação de estruturas económicas e políticas mais ricas de humanidade.

Obrigado a ti, mulher-consagrada, que, a exemplo da maior de todas as mulheres, a Mãe de Cristo, Verbo Encarnado, te abres com docilidade e fidelidade ao amor de Deus, ajudando a Igreja e a humanidade inteira a viver para com Deus uma resposta « esponsal », que exprime maravilhosamente a comunhão que Ele quer estabelecer com a sua criatura.

Obrigado a ti, mulher, pelo simples facto de seres mulher! Com a percepção que é própria da tua feminilidade, enriqueces a compreensão do mundo e contribuis para a verdade plena das relações humanas.

Mas agradecer não basta, já sei…

Quer continuar a ler essa carta preciosa de um Santo Papa a cada mulher?

Continue diretamente no site oficial do Vaticano, e em português:

CARTA DO PAPA JOÃO PAULO II
ÀS MULHERES